Van Gaal confirma fim de assuntos políticos na Holanda: 'Estamos aqui com um propósito'

Van Gaal teve tom áspero na coletiva (Alberto PIZZOLI / AFP)


O técnico Louis Van Gaal está farto da falar sobre política na Copa do Mundo. Crítico ferrenho das proibições da Fifa, especialmente com relação à braçadeira de capitão "OneLove", o treinador confirmou que o assunto não será mais pauta nos bastidores. O foco, agora, é ser campeão.

Além de citar a ação realizada com trabalhadores migrantes, antes da estreia diante de Senegal, Van Gaal voltou a frisar, em coletiva, que o grande propósito da Holanda no Qatar é chegar longe na Copa do Mundo.

+ Holanda pode se classificar às oitavas de final da Copa do Mundo com vitória sobre o Equador

- Colocamos um fim nas questões políticas. Fizemos isso depois da partida com os trabalhadores migrantes. Estamos aqui com um propósito. Não vamos deixar que a FIFA ou qualquer organização estrague o objetivo que temos em mente de sermos campeões do mundo. Já respondi à situação dos direitos humanos. Eu acho que é o suficiente - disse.

ENTENDA O CASO

Desde o início da competição, a Fifa já deixou claro que não será tolerante com aqueles que quebrarem as regras do Qatar, como utilizar a braçadeira de capitão em favor dos direitos LGBTQIA+. Van Dijk, capitão da Holanda, inclusive, comentou que gostaria de tê-la usado, mas não queria receber cartão amarelo.

+ Federação Holandesa fecha Fun Fest para torcedores em Doha; entenda

Outras seleções também entraram no protesto e chegaram a utilizar a braçadeira, como foi o caso da Alemanha. Por isso, Manuel Neuer foi advertido. A Holanda volta a campo nesta sexta-feira, às 13h (de Brasília), para enfrentar o Equador. O duelo vale a liderança do Grupo A e será disputado no Estádio Internacional Khalifa.