Valencia abandona campo após suposto insulto racista contra zagueiro

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Neste domingo (4), Cádiz e Valencia empatavam em 1 a 1 por LaLiga, no estádio Ramón de Carranza, quando a partida foi interrompida, ainda no primeiro tempo, por um suposto ato racista contra o zagueiro francês Mouctar Diakhaby. O defensor discutiu com o jogador Juan Cala, do Cádiz, após contato entre os dois em lance de bola cruzada na área do Valencia. Irritado com algum comentário de Cala, Diakhaby foi tirar satisfação com o adversário. De acordo com informações do jornal espanhol "Marca", Cala teria dito a seguinte frase para Diakhaby: "Negro de merda". O brasileiro Gabriel Paulista e outros companheiros de Valencia tiveram de conter Diakhaby. Após confusão entre atletas dos dois times, o elenco do Valencia abandonou o gramado e o jogo foi paralisado por alguns minutos. A partida foi reiniciada sem Diakhaby, que foi substituído por Hugo Guillamón e assistiu da arquibancada ao restante do jogo. O suposto agressor, Juan Cala, seguiu em campo, mas foi substituído no intervalo antes de a equipe dona da casa retornar para a etapa final. Nas redes sociais, o Valencia se pronunciou minutos depois sobre o ocorrido e explicou o retorno ao gramado. "Nosso total apoio a Diakhaby. O jogador, que recebeu um insulto racista, pediu para que seus companheiros voltem a campo e lutem. Todos contigo, Mouctar", publicou o clube no Twitter. No segundo tempo, o Cádiz marcou o segundo, com Gutiérrez, e venceu a partida por 2 a 1. O primeiro da equipe havia sido marcado por Cala, envolvido no suposto caso de racismo. Gameiro anotou o gol do Valencia.