Vale escondeu problemas e riscos em barragem de Brumadinho, diz agência

Agência Nacional de Mineração afirmou que as informações registradas pela Vale no sistema não condizem com dados de documentos internos da mineradora. (Foto: AP Photo/Andre Penner)
Agência Nacional de Mineração afirmou que as informações registradas pela Vale no sistema não condizem com dados de documentos internos da mineradora. (Foto: AP Photo/Andre Penner)

Um relatório apresentado pela ANM (Agência Nacional de Mineração) nesta terça-feira (5), em Brasília, aponta que a Vale não registrou no Sigbm (Sistema Integrado de Gestão de Segurança de Barragens de Mineração) problemas e riscos à segurança que vinham sendo identificados na barragem B1, na mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG).

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O rompimento da estrutura, ocorrido em 25 de janeiro deste ano, deixou 252 mortos e tem ainda 18 desaparecidos, segundo órgãos estaduais. O gatilho que levou ao rompimento ainda é investigado. De acordo com a ANM, as informações registradas pela Vale no sistema não condizem com dados de documentos internos da mineradora sobre problemas da estrutura.

Leia também

Informações de risco de rompimento também deixaram de ser reportadas, o que impediu que a agência tomasse medidas cautelares e pedisse ações emergenciais que poderiam ter evitado a tragédia.

As diferenças entre os registros, segundo a agência, foram percebidas somente após o rompimento, quando técnicos chegaram ao local para avaliar a situação. O relatório de 194 páginas foi analisado por especialistas e aprovado por um colegiado na quinta-feira (31). 

O relatório aponta que, quinze dias antes da tragédia, os níveis de dois piezômetros  --instrumentos utilizados para medir a pressão da água, que ajudam no cálculo de estabilidade-- estavam em nível de emergência.

Em dezembro, leituras de radar também indicaram anomalias. A ANM não foi informada de nenhuma das questões.

Um dos principais problemas apontados ocorreu na instalação dos DHPs (drenos horizontais profundos, que controlam o nível de água dentro da estrutura). Um relatório interno da Vale reconhece que detectaram a presença de material sólido no maciço --o interior da barragem--  o que é considerado anormal. Outra vez, a ANM não foi comunicada.

Na instalação de outro DHP, foi identificado um problema de percolação de nível 6 por um técnico da própria Vale --que significa umidade ou surgência, que demandariam medidas corretivas. No sistema da ANM, a questão foi registrada como nível 0   --o que indicaria que estava controlada--  e depois alterada para nível 3 - monitorada e controlada. 

Acessando fotos de documentos internos da mineradora, depois do rompimento, técnicos da ANM avaliaram que a situação deveria ter sido identificada como nível 10 --anomalia com potencial de comprometimento da segurança da estrutura --  o que poderia ter colocado a barragem como prioridade na inspeção.

No relatório, a ANM cita a constatação de informações que foram "suprimidas" da inspeção ao órgão fiscalizador. O sistema Geotec tinha cinco fotografias feitas em uma inspeção do dia 6 de junho de 2018, indicando anomalias, como a presença de sedimentos na saída de um dos drenos. 

Nas informações enviadas à ANM, porém, foi anexada apenas uma foto, "reportando apenas dano em uma canaleta de drenagem superficial do talude de jusante, desconsiderando as informações mais relevantes registradas na quinzena".

A situação mais severa, segue a ANM, ocorreu no dia 11 de junho de 2018, quando houve uma falha de perfuração.

"Somente após notificação da ANM, efetuada nos levantamentos documentais da vistoria realizadas após o rompimento da Barragem 1, a Vale S.A. encaminhou reporte citando o carreamento de sólidos relacionado à perfuração do DHP-15", diz o documento. 

O relatório da ANM diz que a programação de vistorias de barragens de mineração obedece a uma sequência, que leva em consideração método de construção da estrutura e categoria de risco, entre outros fatores.

Em 2018, foram realizadas 73 vistorias e inspecionadas 65 das 218 estruturas registradas em Minas Gerais. A B1 ocupava a 68ª posição.

A vistoria dela, seguindo a ordem, estava prevista para acontecer em 2019. A última vistoria da ANM no local da estrutura ocorreu entre os dias 24 e 25 de fevereiro de 2016, quase três anos antes do rompimento.

A ANM aponta ainda que o penúltimo reporte da Vale sobre a B1 foi feito no dia 8 de janeiro e enviado cinco dias após o rompimento. Nele, constava que a barragem não tinha nenhuma anomalia.

A agência chama a atenção, porém, ao fato de que o último reporte, realizado três dias antes da tragédia, e entregue na metade de fevereiro, tinha todas as irregularidades listadas.

A situação, diz a ANM, deveria ter sido reportada assim que os problemas foram identificados. A ANM enviou 24 autuações à Vale, baseadas em pontos do relatório. O documento será encaminhado ainda à Polícia Federal e Ministério Público Federal, que apuram o caso do rompimento, além da Controladoria Geral da União e Tribunal de Contas da União. 

Em resposta à Folha, a Vale informou que vai analisar o relatório na íntegra e não pode comentar decisões técnicas tomadas por geotécnicas na época, "profissionais altamente experientes e de reconhecida capacitação para tratar de questões referentes à manutenção da barragem B1". 

"Todas as informações disponíveis sobre o histórico do estado de conservação da barragem foram fornecidas às autoridades que apuram o caso. A Vale reforça que aguardará a conclusão pericial, técnica e científica sobre as causas da ruptura da barragem", segue a nota.

Leia também