Vacina da Pfizer contra coronavirus tem 95% de eficácia; entre idosos, índice é de 94%

·2 minuto de leitura
female doctor dressed white medical smock, surgical protective gloves. physician holding drug or vaccine syringe. studio shot. vaccination concept.
(Foto: Getty Images)

A vacina contra o coronavírus produzida pela Pfizer em parceria com a BioNTech mostrou ter 95% de eficácia. Segundo o anúncio, foi feito nesta quarta-feira, 18, a imunização mostra ser efetiva 29 dias após a primeira dose.

O estudo também mostrou que, entre os idosos, mais afetados pela Covid-19, a eficácia da vacina é de 94%.

Participaram do estudo 43 mil voluntários. Entre eles, 170 tiveram a Covid-19, sendo 162 deles parte dos que receberam o placebo e apenas 8 entre os que tomaram a vacina.

“Os dados mostram que nossa vacina é capaz de induzir a altos níveis de proteção contra a Covid-19 apenas 29 dias depois da primeira dose. Além disso, a vacina se mostra tolerável em todos os grupos etários, com apenas efeitos colaterais moderados, o que pode ser explicado em parte por ser uma dose baixa”, explicou Ugur Sahin, CEO da BioNTech.

A vacina também mostrou prevenir casos mais graves da Covid-19 em voluntários. Havia dez casos de pacientes mais afetados pela doença na fase três do estudo, sendo nove no grupo placebo e apenas um entre os que receberam a vacina da Pfizer.

Leia também

Há uma semana, as empresas haviam anunciado que a eficácia da imunização era de 90%, mas o índice se mostrou ainda maior. O estudo foi feito por um comitê externo, o Data Monitoring Comittee. A vacina produzida pela Moderna mostrou ter 94,5% de eficácia, e a CoronaVac, 97%.

Médicos envolvidos na pesquisa ainda não sabem dizer durante quanto tempo a vacina é capaz de imunizar as pessoas e com qual frequência as doses precisariam ser administradas.

Segundo a Pfizer, a empresa pretende fazer um pedido de autorização de uso emergencial da vacina ao Food and Drug Administration nos próximos dias. O órgão é a agência regulatória dos Estados Unidos.

A expetativa da companhia é produzir 50 milhões de doses ainda em 2020 e 1,3 bilhão no próximo ano.