Vôlei Nestlé vence a segunda contra o Dentil/Praia Clube pelas semifinais

Equipe de Osasco abriu 2 a 0 na série melhor de cinco jogos e conseguiu boa vantagem na busca por uma vaga na decisão

Depois de vencer em casa, na primeira partida da série melhor de cinco jogos pelas semifinais da Superliga feminina, o Vôlei Nestlé (SP) foi a Uberlândia (MG) e conseguiu mais um resultado positivo diante do Dentil/Praia Clube (MG). Nesta terça-feira, a equipe dirigida pelo técnico Luizomar de Moura venceu por 3 sets a 0 (25/19, 25/22 e 25/22), em 1h30 de partida e abriu 2 a 0 na série.

Com mais uma vitória, o Vôlei Nestlé estará garantido na grande final da Superliga. Em caso de um resultado positivo do Dentil/Praia Clube nesta sexta-feira quando será a terceira rodada das semifinais, a disputa segue adiante.

Na noite desta terça, o Vôlei Nestlé contou com boa atuação da levantadora Dani Lins. A jogadora foi a melhor da partida e recebeu o Troféu VivaVôlei. Depois de desfalcar a equipe de Osasco na rodada passada, com problemas pessoais, a jogadora voltou e agradeceu.

- Estamos jogando como um time mesmo, uma ajudando a outra, tendo tendo paciência quando erramos e isso é muito importante. Fui muito bem acolhida, recebida de volta e sabemos que juntas somos mais fortes. Estamos bem felizes. Temos mais um jogo em casa e não vai ser fácil. Elas não desistem nunca, têm um elenco muito bom e temos que estar preparadas para isso. Vamos lotar o caldeirão em casa - disse Dani Lins.

Outra jogadora do time de Osasco que se destacou foi a ponteira Tandara que foi maior pontuadora do segundo duelo pelas semifinais, com 21 acertos.

Pelo lado do Dentil/Praia Clube, a experiente Walewska falou sobre as chances de virada do seu time. A central afirma que a série é longa e que o grupo precisa se unir ainda mais neste momento.

- Não tivemos uma grande evolução em relação ao último jogo. Lá em Osasco, conseguimos ganhar um set. Mas, a série é de cinco jogos e agora temos que unir forças para tentar vencer na próxima sexta. Não temos muito tempo. Temos que jogar diferente na próxima partida. Nós somos jogadoras muito experientes para falar de fator emocional neste momento. Essa não pode ser a nossa desculpa para derrota.











E MAIS: