Vítor Pereira exalta entrega do Corinthians contra o Braga: 'Gosto de jogar bem, mas prefiro ganhar'

Vítor Pereira chegou a terceira vitória como visitante no comando do Timão (Foto: Rodrigo Coca/Ag.Corinthians)


O Corinthians finalizou apenas uma vez o gol na vitória sobre o Bragantino, neste domingo (8), pela quinta rodada do Brasileirão, o suficiente para vencer por 1 a 0, fora de casa, rompendo uma sequência de seis meses do Massa Bruta sem ser derrotado no Nabi Abi Chedid.

> GALERIA - Veja todos os técnicos estrangeiros da história corintiana
> TABELA - Confira a tabela e simule os jogos do Timão no Brasileirão

O técnico corintiano Vítor Pereira reconheceu que o desempenho corintiano não foi tão bom, mas valorizou o espírito de entrega e aplicação dos seus jogadores em campo, deixando claro que, para ele, o resultado é o mais importante que o desempenho.

- Quando não jogarmos com a qualidade que pretendemos, temos que ser uma equipe competitiva e estamos criando esse espírito de que quando não dá na qualidade, dá na raça. E isso é uma impressão do torcedor do Corinthians, quando não se dá na qualidade tem que se deixar tudo em campo. Gosto de jogar muito bem, mas não gosto de jogar bem e perder o jogo, gosto de jogar bem e ganhar, e quando não dá para jogar bem prefiro ganhar. Isso que é criar o espírito competitivo, em que os três pontos têm que ser disputados até o fim do jogo – disse o português em entrevista coletiva após o jogo.

Ainda que reconheça que o Corinthians, contra o Red Bull Bragantino, não foi tão bem, Vítor Pereira reconheceu a virtude defensiva, afirmando que o adversário também não conseguiu criar muitas chances claras de gols.

- Apesar do Bragantino ter tido mais a bola, circulado mais a bola, chances claras eu só lembro de uma, que foi o cabeceio para fora, e aí tivemos sorte, porque o cruzamento sai, o atacante antecipa e só não deu gol porque não deu – destacou VP.

No final da partida, Vítor Pereira promoveu a entrada do zagueiro Robson Bambu no lugar do lateral-direito Rafael Ramos, quando o Timão já jogava com uma trinca de defensores atrás. Com isso, o clube alvinegro terminou com seis atletas no esquema defensivo, já que além dos quatro homens da zaga, o lateral-esquerdo Bruno Melo também terminou o jogo trancado na parte de trás do campo corintiano.

Vítor explicou a postura e a definiu como ‘pragmática’.

- Quando fizemos o gol sabíamos exatamente o que iria acontecer, o Jadson iria se encaixa na linha de três, com os dois zagueiros abertos, iriam projetá-los atrás e colocar não sei quantos jogadores na nossa linha e cruzar, e assim criaram problemas, de fato. Mas não é a primeira vez que eu meto os três zagueiros. O que o Bragantino começou a tirar, jogar uma bola fatiada no lateral-esquerdo contrário, que é muito alto o Luan (Cândido) e estavam a ganhar quase sempre a primeira bola. Como o Rafael (Ramos) é baixinho tínhamos o que a fazer? Vamos nos fechar e ganhar de 1 a 0. Fechamos aquele lado com o Róbson e a equipe equilibrou. Fomos pragmáticos – comentou Pereira.

Com o triunfo em Bragança, o Corinthians manteve a liderança do Campeonato Brasileiro, agora com 12 pontos, quatro vitórias e uma derrota em cinco jogos. O Timão volta a campo para a competição nacional no próximo sábado (14), às 19h, contra o Internacional, em Porto Alegre. Mas antes, nesta quarta-feira (11), o clube alvinegro encara a Portuguesa-RJ, na Neo Química Arena, em duelo decisivo pela volta da terceira fase da Copa do Brasil – na ida, com mando da Lusa, o jogo terminou empatado em 1 a 1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos