As vésperas da Libertadores, Diego afirma: "quero ser campeão" e Guerrero fala em "deixar a alma em campo"

As vésperas da estreia na Libertadores, o Flamengo vive a expectativa de fazer uma grande  competição. Sem o título desde 1981 quando ganhou a primeira e única taça do torneio, o time de Zé Ricardo, que conta com uma das folhas salarias mais altas do futebol brasileiro, terá como primeiro desafio o San Lorenzo.

VEJA TAMBÉM:
"Tenho boa relação com Agüero" | Griezmann elogia Torres | Walter está fora do Goiás

Diego e Paolo Guerrero são as principais armas do Rubro-Negro para a Copa Libertadores. O meia revelado nas categorias de base do Santos ressaltou a "atmosfera" especial da competição.

Diego Ribas Botafogo Flamengo Carioca 12022017


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação)

"É o time de competição que cria no decorrer dos anos uma atmosfera especial, os estádios, as viagens, a concentração dos jogadores durante os jogos. Então, tudo isso. O idioma diferente, tudo isso gera um ambiente único, é um campeonato prazeroso de disputar e um desafio muito grande".

Questionado sobre até onde o Flamengo pode chegar, Diego preferiu não impor limites mas deixou claro que quer ser campeão com o Rubro-Negro.

"Eu não vou colocar limite nesse topo, eu não sei onde vai ser o topo. Estamos em claro progesso e isso deve se muito a política do clube, muito também a confiança dos torcedores em estar sentindo que a equipe está na direção certa.  Dedicação, a comissão técnica, os jogadores em acreditar que somos capazes de alcançar grandes objetivos. Esse ano a minha expectativa é de conquistar títulos, ou título, eu quero ser campeão com a camisa do Flamengo, é um grande sonho e objetivo que eu tenho, eu deixei isso muito claro. Vamos lutar nessas 5 possibilidades para que esse caminho continue sendo vitorioso".

Paolo Guerrero Botafogo Flamengo Carioca 12022017


(Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação)

Já Paolo Guerrero, um dos camisas 9 mais respeitados do futebol sul-americano, falou em "deixar a alma" em campo e pediu ajuda dos torcedores para este grande desafio.

"É uma responsabilidade nova, o feito de vestir a camisa do flamengo requer muitas coisas: muita atenção; como se diz em português: caprichar em todos os aspectos, dar o melhor de si e deixar a alma em campo. Com isso creio que é suficiente, a torcida do Flamengo quer jogadores que se matem dentro de campo e eu me acostumei a isso. Então, esperamos dar alegria a torcida flamenguista e que eles também nos ajudem a poder entrar focados e motivados em todas as partidas que virão pela Copa Libertadores".