Uphill Corcovado: bate-papo com Shubi Guimarães, diretora da prova

Shubi Guimarães, diretora do Circuito Uphill: "Escolhemos os locais das etapas que reúnem belo visual, áreas de preservação e pistas que permitam traçar corretamente os percursos. (Divulgação)


A Uphill Marathon chega, pela primeira vez, ao Rio de Janeiro. A etapa do Corcovado _ que vai acontecer no dia 26 de novembro, com largada às 17h, ao lado da estação do trem do Corcovado _, tem como ponto máximo a chegada aos pés do Cristo Redentor. Para falar sobre o evento, que está com inscrições abertas para as distâncias de 21km e 8km, conversamos com Shubi Guimarães, diretora da prova.

Iúri Totti: Por que trazer a Uphill para o Rio de Janeiro?

Shubi Guimarães: A Uphill é o maior circuito de corridas de subida do Brasil e vem crescendo a cada ano em número de participantes e etapas. Nossa missão é sempre encontrar serras e picos que ofereçam uma experiência segura, desafiadora e emocionante. E chegou o momento de trazer para o Cristo Redentor, uma das maravilhas do mundo, e fazer um evento icônico e inesquecível para nossa tribo.

Que critérios foram usados para escolher este percurso da Uphill Corcovado?

Os critérios técnicos são baseados nas normas da Confederação Brasileira de Atletismo. Escolhemos os locais das etapas que reúnem belo visual, áreas de preservação e pistas que permitam traçar corretamente os percursos menores e maiores. Quase sempre em subida, com raras descidas e com pontos desejáveis para largada e chegada.

Qual a estrutura envolvida na Uphill Corcovado?

A estrutura de uma prova com esta do Corcovado é enorme. O planejamento envolve desde nosso staff X3M até colaboradores para a gestão dos percursos, equipe médica, segurança com polícia e bombeiros, controle do trânsito, montagem da arena de convivência no Complexo Paineiras, onde receberemos nossos Ninja Runners e fazemos as ativações das marcas parceiras.

O Cosme Velho é um bairro pequeno com apenas uma via (Rua Cosme Velho) para o fluxo de carros e ônibus. Como será o esquema para atender a prova e não prejudicar as pessoas que não estarão participando do evento, como os visitantes do Cristo e da Igreja São Judas Tadeu e de Laranjeiras?

Optamos por largar à tarde, no pôr do sol, não apenas por ser uma experiência inusitada, mas principalmente por causa da logística. Assim, vamos usufruir da área do Cristo à noite, depois do horário de visitação. A largada será na Ladeira do Ascurra, próximo da chegada do trem do Corcovado, que vai trazer de volta os atletas. No percurso de 22km, depois do Km 4, os atletas já saem da área urbana e, portanto, o impacto será mínimo na região.

O que vai acontecer se chover?

Se chover não tem problema, pois ninguém é de açúcar (risos). A situação não desejada é se houver raios, porque aí envolve a segurança de todos e a prova tenha que sofrer alguma mudança.

Quais os tempos de corte?

Na meia maratona do Corcovado, o ponto de corte será no Km 15,7 ao serem completadas 2h20m de prova. Após 4h10m do horário da largada, na Ladeira do Ascurra, os atletas que não alcançarem os 22km serão desclassificados e não receberão medalha. Na prova de 8km, os atletas terão 3 horas para completar o percurso.

Como será feita a retirada dos atletas que forem cortados?

Em todas as provas da Uphill o esquema é o mesmo. Atrás do último atleta sempre vem uma ambulância e um ônibus resgatando os atletas desistentes.

Que medidas serão adotadas para garantir a segurança dos corredores?

Sobre a garantia da segurança, teremos um apoio grande do batalhão da polícia, do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Corpo de Bombeiros. Haverá um comunicado para todas as comunidades do entorno de modo que todos sejam bem parceiros e colaborativos com o evento.

Como fica a questão da iluminação no percurso?

A iluminação dos trajetos será a existente e os atletas estão sendo orientados a levar lanternas para o caso de alguma urgência.

A Uphill Corcovado fecha o circuito de 2022. Qual o balanço que fazem do ano e as perspectivas para 2023?

A etapa inédita do Corcovado fecha o circuito de 2022, que passou pela Serra do Rio do Rastro, Serra dos Órgãos e Nova Friburgo – Cachoeiras de Macacu. O próximo ano será especial, pois a Uphill completa 10 anos. A programação será bem especial para os Ninjas Runners. Bernardo Fonseca, CEO da X3M, já antecipou inclusive que o calendário vai crescer, com uma etapa confirmada na Serra do Mar, entre a Baixada Santista e São Paulo. O cenário será a Estrada Velha de Santos, que está fechada para veículos há muitos anos. Uma nova etapa deverá acontecer em Campos do Jordão (SP) ou na Serra do Piloto (RJ). (Iúri Totti)