Universitário descobre que tem aulas online com professor morto desde 2019

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
la solitudine di un professore di scuola dietro la sua cattedra in una realtà che lo ha svuotato di ogni essenza
A legislação do Canadá permite que universidades continuem usando conteúdos gerados por professores, mesmo após a morte deles.

Após semanas de vídeo-aulas, alunos do curso online da História da Arte na Universidade de Concórdia, no Canadá, tomaram conhecimento de que o professor estava morto desde março de 2019.

A notícia se espalhou após o acadêmico Aaron Ansuini tentar procurar o contato de François-Marc Gagnon, o professor que lecionava o curso.

Leia também

O choque, segundo ele, se deu porque, em nenhum momento, a instituição não deixou claro para os alunos que estavam tendo aulas com uma pessoa que havia falecido.

Quando se matriculou, Aaron e o restante da turma não receberam nenhum aviso que o curso seria ministrado postumamente. Em e-mails encaminhados, havia somente a menção a um co-orientador da matéria.

“Eu nem quero mais assistir às aulas”, contou o aluno ao portal “The Verge”. Aaron tenta migrar de entre palestras e outras matérias para que possa fazer pausas durante o curso. “Não parece uma aula. Parece um desses sites de ensino remoto”, pontua.

A legislação do Canadá permite que universidades continuem usando conteúdos gerados por professores, mesmo após a morte deles.

“Geralmente, quando se trabalha em uma universidade (no Canadá), você assina um contrato que diz que a produção intelectual que você gera é propriedade da instituição”, esclareceu Joseph D'Angelo, advogado com foco em direitos autorais ao site.