Unicef faz alerta sobre consequências da pandemia para crianças: “Carregarão cicatrizes inconfundíveis”

·1 minuto de leitura
The palms of the hungry boy hold an empty plate
Foto: Getty Images

Há um ano, a Organização Mundial da Saúde decretava que o mundo estava em uma pandemia de coronavírus. A Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) avalia que a crise sanitária deixará marcas “inconfundíveis” nas crianças e pode afetar as próximas gerações.

No período, crianças ficaram sem escolas, o contato humano foi reduzido de forma intensa, muitas passaram por depressão e enfrentaram abusos. Além disso, um grande número de famílias passam por dificuldades e até fome.

Leia também:

“Aumentou o número de crianças com fome, isoladas, abusadas, ansiosas, que vivem na pobreza e são forçadas a casa”, declarou Henrietta Fore, diretora executiva do órgão. A nota foi emitida em razão do um ano da pandemia de covid-19.

“O acesso à educação, socialização e serviços essenciais, incluindo saúde, nutrição e proteção diminuiu. Os sinais de que as crianças carregarão as cicatrizes da pandemia nos próximos anos são inconfundíveis”, declarou.

Como forma de compensar os danos causados às crianças, a Unicef recomenda que os planos de reabertura coloquem as escolas como prioridade. O órgão ainda recomendou que os alunos estejam no “centro dos esforços de recuperação”.

Segundo a Unicef, 168 milhões de alunos em todo o mundo estão sem aulas, porque as escolas estão fechadas. Entre eles, um terço não tem acesso à educação online.