'Uma grande m...', diz lateral Fabrício sobre mostrar dedo do meio para torcida do Inter em 2015

Futebol Latino
LANCE!


Logo no início do ano de 2015, um fato marcou bastante o início de temporada do Internacional: a expulsão seguida da mostra do dedo do meio por parte do lateral-esquerdo Fabrício para a torcida. Situação essa vivida em partida do Gauchão contra o Ypiranga que, posteriormente, se mostrou definitiva para a sua saída do clube.

Analisando a situação cinco anos depois, em entrevista que concedeu para o portal 'Globo Esporte', o atleta que hoje defende o Água Santa reconhece que cometeu um grave erro ao tomar a decisão no calor do momento de mostrar o dedo para os torcedores.


Fabrício fez a consideração também de que não teve a ideia exata de jogar a camisa do clube no chão, sendo a situação, na verdade, o resultado de sua chateação misturada a adrenalina. Com isso, quando foi tirar a camisa no caminho dos vestiários, ela caiu acidentalmente.

- Fiz m..., uma grande m.... Eu estava em um dia legal. Se você vê, eu nem perdi a bola. Eles chiaram e eu fiz os gestos no momento. Eu ia bater a lateral e veio a expulsão. Quando eu estava saindo, chegam Juan, Jorge Henrique. Eu só ia tirar a camisa, estava sem graça. Aí já tinha feito a merda. A camisa caiu e o pessoal ficou chateado. Mas eu nunca imaginei em jogar a camisa no chão. Eu perdi a cabeça. Estávamos bem no regional, na Libertadores. Era um time bem entrosado. Ele chegou à semifinal da Libertadores. Era um baita time, muito qualificado. Pena que perdi a cabeça e deixei a rapaziada na mão. - pontuou o lateral.

- Eu lembro na hora o que ocorreu. Às vezes é bom nem lembrar. Foi muito rápido. Quando eu fiz o gesto, eu não sou expulso quando bato lateral. Depois pedi desculpas porque não devia fazer. Ia seguir normal. Você assume o erro, sabe que está errado. Todo mundo erra, acerta, todo mundo tem direito a segunda chance. Vida que segue. O que ocorreu foi passado. Eu pedi desculpa - acrescentou.

O jogador, aliás, pontuou que o seu temperamento sempre foi um elemento com o qual ele tentou lidar ao longo de toda a sua carreira. Entendendo que o principal aspecto de descontrole sempre foi, na verdade, a sua vontade excessiva de vencer:

- Isso atrapalha qualquer jogador de futebol. Você tem que saber, precisa saber o limite dentro e fora. Quando você é muito coração, quer sempre ganhar. Aí eu perdia a cabeça. Eu precisava me controlar. Não podia deixar meus companheiros na mão. Eu sempre quis ajudar, mas é do temperamento. Não tem como fugir. Eu tenho tranquilidade, mas às vezes você acha que está certo e quer discutir, mas não é o melhor momento. Na hora, você explode e discute.

Ao todo, entre 2011 e 2015, Fabrício fez 175 pelo Inter onde marcou 17 gols. Um deles, aliás, marcou a reinauguração do Beira-Rio mediante as reformas visando a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Na oportunidade, o Colorado goleou o Caxias por 4 a 0 no Campeonato Gaúcho em 15 de fevereiro de 2014.











Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também