Ucrânia pode boicotar Olimpíada se russos participarem, diz ministro

Anéis olímpicos na sede do COI em Lausanne

BERLIM (Reuters) - A Ucrânia não descarta boicotar os Jogos Olímpicos se atletas russos e bielorrussos puderem competir nos Jogos de Paris 2024, disse o ministro ucraniano dos Esportes.

Os planos do Comitê Olímpico Internacional (COI) de buscar maneiras para que esses atletas retornem às competições internacionais serão contestados, afirmou o ministro Vadim Guttsait nas redes sociais na noite de quinta-feira.

"Nossa posição permanece inalterada: enquanto houver guerra na Ucrânia, os atletas russos e bielorrussos não devem participar de competições internacionais", escreveu Guttsait em sua página no Facebook.

"O trabalho está em andamento em outras possíveis etapas e primeiros passos para continuar as sanções e impedir que russos e bielorrussos participem de competições internacionais", disse ele.

"Se não formos ouvidos, não descarto a possibilidade de boicotarmos e recusarmos a participação nas Olimpíadas."

Mais tarde, ele escreveu que as negociações com as federações esportivas nacionais começariam sobre um possível boicote às Olimpíadas de Paris "no caso de permitir que os atletas russos e bielorrussos retornem às arenas esportivas internacionais".

Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022, muitas organizações esportivas mudaram eventos e suspenderam times ou atletas russos, enquanto patrocinadores rescindiram contratos em protestos contra a guerra.

Atletas russos e bielorrussos foram banidos de alguns esportes, mas podem competir sob uma bandeira neutra em outros.

O COI, ansioso por vê-los de volta a competições internacionais, disse na quarta-feira que o Conselho Olímpico da Ásia (OCA) ofereceu aos atletas russos e bielorrussos a chance de competir na Ásia, dando-lhes um caminho de qualificação para as Olimpíadas de Paris.

(Reportagem de Karolos Grohmann)