TV do Catar comemora queda da Alemanha por protestos

Durante um programa que debatia a rodada da última quinta-feira da Copa do Mundo do Catar, a equipe titular de uma emissora de TV do país que está sediando o Mundial ironizou a eliminação da Alemanha imitando o protesto feito pelos jogadores bávaros na estreia de sua Seleção na competição.

Leia também:

Logo após o resultado negativo, que fez com que os alemães deixassem a Copa do Mundo ainda na fase de grupos, os onze integrantes do programa colocaram uma das mãos em frente à boca enquanto, com a outra, faziam o gesto de tchau.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Jornalista do Catar ironizou protesto na estreia

Com quase 400 mil seguidores em seu perfil oficial no Twitter, o jornalista Mohammed Alkaabi, personalidade influente no Catar, tirou onda com o protesto feito pela Alemanha após a derrota para o Japão na Copa do Mundo.

Na rede social, ele escreveu: "Isso é o que acontece quando você não foca no futebol". O protesto foi feito por causa da proibição da FIFA ao uso da braçadeira One Love para diversas seleções da Europa.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em outra oportunidade, Alkaabi também cutucou os alemães: quando Philipp Lahm, ex-jogador alemão, disse que não iria ao Catar por conta de questões relacionadas aos direitos humanos, o catari questionou: "Quem falou para você vir?".

Alemanha perdeu patrocínio após polêmica de braçadeira

A Alemanha perdeu o patrocínio de uma rede de supermercados, mas a razão não é negativa. De acordo com Lionel Souque, CEO da Rewe, em entrevista ao jornal alemão Bild, a intenção da rede é de distanciar a sua imagem da FIFA e de Gianni Infantino, seu mandatário.

"Nós defendemos a diversidade - e o futebol também é diversidade. A posição escandalosa da Fifa é absolutamente inaceitável para mim como CEO de uma empresa diversa e como fã de futebol", falou.

Em outubro, a Rewe já havia informado à Federação Alemã que não pretendia renovar o contrato de patrocínio, mas, à época, a razão não era a das braçadeiras de capitão.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.