TSE suspende julgamento de cassação de Bolsonaro e Mourão

Yahoo Notícias
Murão e Bolsonaro durante cerimônia de inauguração no Tribunal Superior do Trabalho, no dia 19 de fevereiro de 2020 (Andressa Anholete/Getty Images)
Murão e Bolsonaro durante cerimônia de inauguração no Tribunal Superior do Trabalho, no dia 19 de fevereiro de 2020 (Andressa Anholete/Getty Images)

Após retomar o julgamento de ações que poderiam cassar os mandatos do presidente Jair Bolsonaro e do vice Hamilton Mourão nesta terça (9), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu o julgamento a pedido do ministro Alexandre de Moraes, que afirmou ser necessário mais tempo para analisar o caso.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

As ações deste julgamento foram apresentadas por Guilherme Boulos e Marina Silva, que também concorreram à presidência da República em 2018. Segundo as ações, o grupo virtual “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, com 2,7 milhões de participantes, foi alvo de ataques que alteraram o visual e conteúdo da página. Originalmente, o grupo criticava Bolsonaro. Depois da atuação dos hackers, o grupo passou a se chamar “Mulheres com Bolsonaro #17”, com a publicação de mensagens de apoio ao candidato.

O julgamento das ações começou em novembro do último ano, quando o ministro relator Og Fernandes votou contra a cassação da chapa. No entanto, o ministro Edson Fachin pediu vista, o que levou ao adiamento do julgamento para esta terça.

No momento da suspensão do julgamento, eram três votos a favor da reabertura da investigação e dois contra, com os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso por votar.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

No total, há oito ações na Corte que tentam anular a eleição presidencial, das quais quatro tratam do suposto uso de notícias falsas (fake news) pela campanha de Bolsonaro. No entanto, o julgamento dessas quatro ações, vistas como ameaças maiores ao presidente, ainda não está marcado.

* com informações da Agência O Globo e da BBC News Brasil

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também