Trump sugere adiar Jogos de Tóquio para 2021

AFP
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião com o premier da Irlanda, Leo Varadkar, no Salão Oval da Casa Branca em 12 de março de 2020.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião com o premier da Irlanda, Leo Varadkar, no Salão Oval da Casa Branca em 12 de março de 2020.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu nesta quinta-feira (12) adiar em um ano os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, enquanto os organizadores insistem que o evento será mantido nas datas previstas apesar da pandemia do coronavírus.

"Quem sabe eles adiem por um ano", declarou Trump a jornalistas no Salão Oval da Casa Branca.

"É uma pena, porque realmente construíram estruturas magníficas", mas "eu prefiro isso a ter estádios vazios", completou o presidente americano.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, previstos para serem disputados entre 24 de julho a 9 de agosto, foi colocada em dúvida devido à pandemia do coronavírus, mas tanto o Comitê Olímpico Internacional (COI) como as autoridades japonesas afirmam que, até o momento, as datas estão mantidas.

O presidente do COI, Thomas Bach, declarou nesta quinta-feira que "seguiremos as recomendações da Organização Mundial de Saúde" sobre a situação dos Jogos Olímpicos.

A atual pandemia do coronavírus supõe já "sérios problemas nos torneios de classificação", reconheceu o dirigente alemão. "Estão em perigo" em certos esportes, completou, referindo-se ao cancelamento de competições classificatórias como precaução contra a propagação do Covid-19.

"Temos que reagir de uma forma muito flexível", continuou o presidente do COI, citando alguns critérios de classificação, mas sem precisar os esportes ou provas envolvidas.

Os atletas, em particular os que são oriundos de países e regiões muito afetados pelo vírus, devem se beneficiar de um sistema "igualitário nestas condições extremamente difíceis", concluiu Bach.

Já a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, garantiu nesta quinta-feira que o cancelamento do evento é "impensável".

Leia também