Tributo a Dick Hoyt, uma lenda do esporte

Iúri Totti
·10 minuto de leitura


Recebi de um amigo o texto que Dave McGillivrayd, diretor da Maratona de Boston, publicou no Boston Globe, no dia 18 de março. É um tributo a Dick Hoyt, seu amigo por mais de 40 anos, que morreu, aos 80 anos, no dia 17 de março, em sua casa em Massachusetts, nos Estados Unidos, vítima de insuficiência cardíaca. Vale o compartilhamento.

Para quem não conhece a história de Dick Hoyt, ela está perpetuada na estátua de bronze que, desde 2013, fica na largada da Maratona de Boston, a mais antiga e uma das principais do mundo. Ele não está sozinho na homenagem. O filho Rick lhe faz companhia, sentado na cadeira de rodas que o pai empurrou em mais de mil provas, entre maratonas, duathlons e triathlons, incluindo seis Ironman, além de terem cruzado os Estados Unidos, em 1992, correndo e pedalando, em 45 dias, em um total de 5.976km.

O Team Hoyt encantou e emocionou a todos, atletas ou não.

"Pai, quando estou correndo, parece que não sou deficiente", dizia Rick, esquecendo de sua paralisia cerebral e tetraplegia quando estava sendo levado por Dick nas competições.

A história esportiva deles começa em 1977. Rick, que nasceu em 1962 em um parto complicado por ter o cordão umbilical enrolado em seu pescoço, causando a paralisia cerebral, pediu ao pai para participar de uma corrida. Dick Hoyt topou a ideia e foi correr empurrando a cadeira do filho durante a prova. A dobradinha pai e filho foi até 2015, quando Dick, por não mais conseguir conduzir Rick, passou o comando da cadeira para o amigo Bryan Lyons. A partir daquele ano, era ele quem corria com Rick a Maratona de Boston, prova que os Hoyt participavam desde 1981. Em 2019, Rick não pode competir, mas Lyons fez questão de correr e entregar ao parceiro a medalha da prova. Em junho do ano passado, Lyons morreu aos 50 anos.

Estátua de bronze de Dick e Rick Hoyt que, desde 2013, está na largada da Maratona de Boston. (Team Hoyt)
Estátua de bronze de Dick e Rick Hoyt que, desde 2013, está na largada da Maratona de Boston. (Team Hoyt)

Estátua de bronze de Dick e Rick Hoyt que, desde 2013, está na largada da Maratona de Boston. (Team Hoyt)

Abaixo, o texto de McGillivrayd, diretor da Maratona de Boston:

"Ele nunca será esquecido"

Conheci Dick Hoyt no início dos anos 80. Eu estava correndo na Falmouth Road Race (de 11km, em Massachusetts) e um cara corre ao meu lado “empurrando uma cadeira de rodas” com um menino nela. Eu nunca tinha visto algo assim antes. Talvez um bebê corredor, mas não uma cadeira de rodas de verdade. A princípio, fui inspirado pelo que estava vendo, mas depois decidi não deixar que ele (eles) me vencesse. Nós corremos e corremos. O filho da mãe me bateu!

Eu o cacei e perguntei quem ele era. Começamos a conversar e perguntei se ele já havia pensado em fazer um triathlon. Eu tinha acabado de começar meu negócio e criar o Bay State Triathlon em minha cidade natal, Medford, em Massachusetts (com 1,6km de natação, 64km de bicicleta e 16km de corrida). Dick Hoyt me disse "com certeza", contanto que pudesse fazer com Rick. Revirei os olhos um pouco e perguntei como ele planejava fazer isso. Ele disse que não sabia, mas que ele e eu teríamos que descobrir. E nós fizemos e eles competiram.

As pessoas ficaram surpresas ao ver o que estavam vendo. Um pai puxando seu filho em um bote de borracha na natação, puxando-o em um carrinho atrás da bicicleta e empurrando-o em uma cadeira de rodas. Assim começou nosso relacionamento de 40 anos.

Pouco tempo depois, Dick me ligou. Ele disse que Rick tinha uma pergunta para mim. Rick queria me perguntar se eu poderia colocá-los no Ironman do Havaí. Vaca sagrada! Eu já tinha feito a corrida algumas vezes, então eles sabiam que eu tinha “conexões”.

Lembro-me de perguntar: “Dick, você tem certeza? Rick quer fazer Ironman?” "Sim", respondeu ele. "E você, Dick?" Ele disse que faria o que Rick quisesse.

Fiz algumas ligações e os recebi. Fomos juntos para o Havaí, porque eu também iria fazer a prova novamente.

Eu já tinha nadado e estava na volta da bike, quando o último corredor passou por mim indo na direção oposta. "Cadê os Hoyts?. O que aconteceu a eles?"

No final, eles não cumpriram o horário de corte para nadar. Dick se sentiu mal durante a natação. Eu pensei: "bem, isso era o fim de sua carreira no triathlon". Errado.

Alguns meses depois, Dick me ligou novamente. “Rick tem outra pergunta para lhe fazer. Ele quer experimentar o Ironman novamente. Você pode nos colocar dentro?"

Eu os coloquei. Eles voltaram para o Havaí e terminaram! O resto é história.

Eles eventualmente fizeram centenas de triathlons ao redor do mundo, incluindo todas as corridas DMSE (empresa de Dave McGillivrayd, que organiza mais de 30 eventos esportivos, incluindo a Maratona de Boston). Rick e Dick foram incluídos no Ironman Triathlon Hall of Fame. Há apenas alguns anos, eu pessoalmente os indiquei para o Hall da Fama do Triathlon dos EUA. Dick estava lá, mas Rick não podia viajar, então acabamos fazendo um FaceTime com ele para que pudesse experimentar tudo também.

Depois de alguns anos, me tornei o gerente de negócios do Hoyt, garantindo patrocínios, inscrevendo-os em corridas e marcando palestras.

Então, a próxima ligação veio de Dick. "Rick quer fazer outra pergunta. Ele quer correr pelo país como você fez." "Ele queria fazer o quê?", perguntei. "Bem, correr e andar de bicicleta." Caramba. Ainda assim, é um longo caminho". Perguntei ao Dick o que ele queria que eu fizesse. Ele disse que precisava de mim para administrar tudo. Bem, ok, pensei.

Eu desenhei a rota, ajudei a montar tudo e eles foram embora. Eles costumavam me ligar para me atualizar. Cerca de duas semanas depois de terminar, Dick me ligou novamente.

"Rick tem outra pergunta para lhe fazer." Outra pergunta! OK, o que é dessa vez? “Rick quer que terminemos nossa corrida/bicicleta em Fenway Park, assim como você fez. Você pode fazer isso acontecer? ”

No começo eu estava tipo, eu não tenho certeza se quero fazer isso. Então pensei, estes são os Hoyts. Como não posso? Liguei para o Sox e estávamos dentro. Os Hoyts me pediram para correr com eles. Então eu fui, mantendo-me cerca de 50 metros atrás deles.

Outro momento dos Hoyts para mim foi durante a Maratona de Boston de 2006. Eu acredito que foi a 25ª participação deles. Pediram-me para segurar uma faixa na linha de chegada para eles. Que eu me lembre, nunca houve uma quebra de fita para ninguém além dos vencedores da corrida.

Segurei a fita com Guy Morse, ex-diretor de corrida. A torcida na linha de chegada foi ensurdecedora.

Há alguns anos, os Hoyts vieram à minha casa para correr alguns quilômetros no meu aniversário. Estava fazendo 60 anos, e tinha sido diagnosticado com doença arterial coronariana. Eu não estava me sentindo muito bem emocionalmente, mas eles vieram ficarem comigo por alguns quilômetros, assim como muitos outros amigos queridos.

Quando terminamos, Dick me entregou um envelope - era meu “presente de aniversário”. Era um certificado de presente dizendo que eu poderia empurrar Rick em qualquer corrida que eu quisesse. (O quê? Eu poderia empurrar Rick?) Esse pensamento nunca passou pela minha mente até então. O melhor presente de todos os tempos.

Decidi fazer isso no Harvard Pilgrim Finish at the Fifty 10K. Eu estava tão nervoso. Eu conhecia os Hoyts há 40 anos, mas nunca estive sozinho com Rick. (O que eu faço, o que eu digo?) Eu ficaria com ele por mais de uma hora.

Dada a largada. Lá fomos nós. Eu não tinha ideia do que estava fazendo. (Espero que esta cadeira não vire. Como você faz para desvirar? Como você impede uma cadeira de rodas desgovernada descendo uma colina íngreme?)

Lembro-me de dizer a mim mesmo: "Aproveite o momento, isso pode nunca mais acontecer na sua vida." Eu disse: “Vamos apenas percorrer o caminho da memória e falar sobre todos os bons momentos que compartilhamos.” Então comecei e continuei.

Eu poderia dizer que ele adorou, sorrindo e movendo a cabeça e os braços. Nós nos divertimos muito. A expressão em seu rosto quando terminamos foi impagável. Este momento esportivo, compartilhando uma amizade mutuamente respeitosa com Rick. Ele foi direto para o topo dos meus momentos memoráveis ​​de todos os tempos da minha vida.

Devo agradecer a Dick por me dar a oportunidade de ser apenas uma das três pessoas (que eu conheço) que, na época, empurraram Rick.

É muito triste pensar que a outra pessoa, outro amigo querido, foi Bryan Lyons, que infelizmente também faleceu durante seu sono no ano passado. Dick também morreu durante seu sono.

Na semana passada, eu estava em uma ligação pelo Zoom com Dick. Foi o café da manhã anual do MetroWest YMCA Inspirational Award. Dick e eu estávamos apresentando os prêmios de 2021 para Doug Flutie e Joan Samuelson. Mais de 150 pessoas estavam conectadas e provavelmente viram Dick pela última vez naquela noite, incluindo eu. Eu ainda não consigo acreditar.

Dick e Rick eram atletas incríveis. O que ambos suportaram juntos é uma história lendária. Eu testemunhei muito disso pessoalmente.

Imagine empurrar seu filho em uma cadeira de rodas na Maratona de Boston em menos de três horas! Dick não era desleixado. Ele foi rápido, até empurrando uma cadeira.

Eu sempre brinquei com Dick dizendo que ele tinha uma vantagem sobre o resto de nós. Ele me perguntou: "Como assim?" Eu disse: “Bem, você tem sua arma secreta com você o tempo todo, bem na sua frente, sua inspiração e motivação. Ele é como um imã, puxando e puxando você para frente. Se e quando você ficar cansado, lá está ele, inspirando, empurrando e torcendo por você! Isso não é justo.” Haha, é claro. Depois de eu empurrar Rick, acho que nunca toquei nesse assunto de novo!

O que eu mais admirava em Dick (e, é claro, em Rick) não era tanto sobre seu porte atlético. Foi quando Rick nasceu. Dick não o deixou para trás. Ele abraçou seu filho e o incluiu em sua vida, e em tudo o que ele estava envolvido.

Dick foi um dos primeiros a participar da Maratona de Boston com um propósito maior, não apenas para si mesmo. Ele foi um dos primeiros a introduzir isso em nossa indústria e abrir caminho para que milhares de pessoas acreditassem em si mesmas e participassem retribuindo o gesto. Ele ajudou a derrubar as paredes da intimidação.

Os Hoyts inspiraram dezenas de capítulos da Team Hoyt em todo o país e no mundo. Por causa deles, muitos atletas e crianças em situações semelhantes estão experimentando a emoção de participarem e competirem. Isso nunca teria acontecido se não fosse pelos Hoyts.

Eu sinto que tenho centenas de histórias inspiradoras semelhantes sobre os Hoyts, numerosas demais para serem mencionadas, mas parecia que toda vez que eu estava com eles algo inspirador acontecia. Não há muitos atletas neste planeta, eu penso exatamente da mesma maneira.

Sempre achei que Dick e Rick eram invencíveis. Eles simplesmente tinham esse tipo de personalidade. Dick deixou um legado inigualável.

Eu me preocupo com Rick, mas também sei que ele também é o guerreiro que seu pai foi, e vai perseverar. Seria uma grande homenagem a Dick se algum dia alguém pudesse empurrar Rick novamente em homenagem a seu pai, nosso amigo, nosso herói. Talvez algum dia.

Ele nunca será esquecido. Deus abençoe a equipe Hoyt.

Dave McGillivray é o diretor da Maratona de Boston, filantropo, palestrante motivacional e ex-atleta.

(Iúri Totti/Corrida Informa)