Treinos físicos e análise por vídeo: a rotina dos goleiros do Fluminense


Os jogadores tem feito como podem para manter a forma durante a paralisação inesperada do futebol nesta temporada pela pandemia do novo coronavírus. Uma das posições mais difíceis de se recuperar após um tempo parado é a do goleiro. O preparador do Fluminense André Carvalho explicou a rotina dos arqueiros da equipe.

- Nesse momento delicado temos que ser inovadores. Eles pegaram material para trabalhar no clube antes da crise, então eu passo o trabalho, eles mandam o vídeo e eu analiso. Tem sido muito produtivo. Lógico que não é como quando estamos no clube. Lá tem trabalho tático, técnico, junto com o grupo. Mas para manter a forma está sendo produtivo - disse.

- Passei mais treinos de parte física. Força, agilidade, coordenação, um pouco de core, um pouco de funcional. É diferente. Treinar em casa é uma coisa, treinar no clube é outra. O Muriel até faz treinos com o filho dele, mas é um privilegiado, por ter um filho goleiro também. Inclusive é um trabalho que faço no dia a dia com eles e ficou bem legal - completou.



Neste 26 de abril é comemorado o Dia do Goleiro. Um dos destaques da reta final de 2019 e titular no começo deste ano, Marcos Felipe comentou as dificuldades dos atletas da posição e garantiu estar seguindo as recomendações.

- Nesse momento tão complicado tenho procurado fazer trabalhos específicos de funcional, de core e alguns específicos de goleiro. O André Carvalho tem mandado os trabalhos, assim como o Marquinhos Seixas (preparador físico), para nos auxiliar nos exercícios e a gente não perder a forma. É dessa maneira que eu tenho buscado trabalhar para me manter bem - afirmou o camisa 1.

Entre os goleiros do Fluminense, Marcos Felipe foi titular em dois jogos e não sofreu gols. Muriel, após se recuperar de lesão, voltou a assumir a posição e fez 13 jogos, sofrendo 11 gols. O jovem Marcelo Pitaluga só chegou a ser relacionado.




Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também