Torcida organizada do Brasil explica confusão com Gaviões da Fiel

Movimento Verde e Amarelo, organizada brasileira, e a Gaviões da Fiel tiveram um princípio de confusão no jogo contra a Suíça.
Movimento Verde e Amarelo, organizada brasileira, e a Gaviões da Fiel tiveram um princípio de confusão no jogo contra a Suíça. Foto: (FABRICE COFFRINI/AFP via Getty Images)

Um membro da Movimento Verde e Amarelo, torcida organizada do Brasil, se pronunciou sobre a confusão envolvendo uma faixa da Gaviões da Fiel, do Corinthians. A situação ocorreu na vitória da seleção sobre a Suíça por 1 a 0.

"Chegamos mais cedo no estádio, posicionamos as nossas faixas atrás do gol. Próximo do horário do jogo chegaram uns quatro, cinco integrantes da Gaviões, foram colocando as faixas na frente das nossas. Gerou um estresse. Questionamos, teve princípio de discussão, mas não teve agressão", contou Carlos Junior, representante da MVA, ao Globo.

Leia também:

O torcedor explicou que a torcida brasileira cedeu, mas explicou que não houve tentativa de tirar a bandeira da torcida do Corinthians.

"Foi uma discussão normal, de um integrante de cada torcida. Nada mais. Problema não era a faixa deles. A maioria que estava lá conversou numa boa, eles ajudaram a amarrar nossa bandeira. Não queremos gerar desconforto. Não teve problema", falou.

Nas redes sociais, diversos comentários foram publicados, alguns ironizando o Movimento Verde e Amarelo, os chamando de "torcida de playboys" e acusando a torcida de ser patrocinada por empresas que têm interesse de fomentar sua marca às custas do trabalho feito nas arquibancadas.

"A gente tem um movimento totalmente orgânico, começamos do zero, com dinheiro do próprio bolso, nunca tivemos incentivo da CBF, da Fifa. Muitos estão aqui com muito custo, com uma luta danada, com planejamento de quatro anos. Essa história de torcida de playboy é coisa da galera que não gosta do Brasil, que ama o clube de coração e o Brasil está em segundo plano", afirmou o representante.