Jogos Olímpicos de 2021: o que você precisa saber sobre os quatro novos esportes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·7 minuto de leitura
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Andrew Reid

Não importa se você gosta de ollies, bouldering, cutbacks ou busting, os Jogos de Tóquio oferecem quatro novos esportes empolgantes em sua estreia nos Jogos Olímpicos. Veja aqui os detalhes.

Uma série de esportes emocionantes fará sua estreia nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021. Foto: Getty Images
Uma série de esportes emocionantes fará sua estreia nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021. Foto: Getty Images

Os Jogos Olímpicos tornaram-se sinônimo de apresentação de esportes novos e incríveis para um público global, e os Jogos de Tóquio em 2021 não são exceção.

O principal evento do Japão levará quatro novos esportes ao maior palco do mundo, com os competidores agora disputando medalhas no surfe, skate, escalada esportiva e karatê, elevando o número total de esportes em Tóquio para 33.

Com medalhas espalhadas por um total de 339 eventos diferentes, aqui está o que esperar dos estreantes nos Jogos Olímpicos.

SURFE

Local: Praia de Tsurigasaka (100 km do estádio olímpico de Tóquio, na cidade de Ichinomiya, na costa do Pacífico da província de Chiba)

A estreia nos Jogos Olímpicos do surfe em Tóquio envolve uma competição masculina e feminina com 20 competidores cada. Os surfistas terão 30 minutos por bateria para pegar as ondas na tentativa de marcar a melhor pontuação possível durante esse período. As duas melhores pontuações de cada surfista compõem a contagem geral. Um júri de cinco especialistas classificará cada onda de surfista em até dez pontos, com base em critérios como o grau de dificuldade e o risco associado às manobras que executam, bem como as ondas que pegam.

Pontuações mais altas serão dadas aos surfistas que mostrarem inovação ou ultrapassarem os limites com manobras como variações aéreas ou deslizamento da cauda, ​​enquanto a variedade de truques, a facilidade com que um atleta pode incorporá-los e a velocidade, a potência e o fluxo de seu estilo também influenciarão na pontuação dos juízes.

A primeira rodada contará com quatro surfistas, a segunda rodada terá cinco e, a partir da terceira rodada, a competição muda para um formato um a um, sem que dois surfistas possam pegar a mesma onda e a etiqueta do surfe ditando qual surfista tem prioridade para uma onda.

Infelizmente, o lendário surfista Kelly Slater não vai competir em Tóquio depois de ser ultrapassado pelo compatriota americano John John Florence nas eliminatórias, com os atuais e ex-campeões mundiais Italo Ferreira e Gabriel Medina, além do australiano Owen Wright entre os grandes nomes de destaque.

No feminino, a atual campeã mundial americana Carissa Moore destaca-se como a surfista a ser derrotada, enquanto as esperanças de medalha da Austrália estão nas costas da heptacampeã mundial, Stephanie Gilmore.

Stephanie Gilmore e Owen Wright vão orgulhosamente hastear a bandeira da Austrália na competição olímpica de surfe.  Foto: Getty Images
Stephanie Gilmore e Owen Wright vão orgulhosamente hastear a bandeira da Austrália na competição olímpica de surfe. Foto: Getty Images

ESCALADA ESPORTIVA

Velocidade, força, agilidade, flexibilidade e nervos de aço serão colocados à prova quando a escalada esportiva estrear nos Jogos de Tóquio.

Os atletas (20 homens e 20 mulheres) competirão em três modalidades diferentes, velocidade, boulder e lead, com sua classificação em cada uma multiplicada para determinar sua posição na classificação geral. O escalador com a pontuação mais baixa após as três classificações serem multiplicadas ganha a medalha de ouro.

A disciplina de Velocidade coloca dois escaladores um contra o outro em um percurso idêntico, com o mais rápido no topo da parede de 15m de altura declarado o vencedor.

No bouldering, os atletas têm um prazo de quatro minutos para escalar o maior número possível de rotas fixas em uma parede de 4,5m, com saliências e apoios de tamanhos variados (alguns que só permitem usar a ponta dos dedos) representando um desafio rigoroso para os escaladores. Consciência do tempo, planejamento meticuloso, força e destreza são cruciais para o sucesso.

A eslovena Janja Garnbret é uma das grandes favoritas à medalha na categoria escalada feminina. Foto: Getty Images
A eslovena Janja Garnbret é uma das grandes favoritas à medalha na categoria escalada feminina. Foto: Getty Images

No lead, os escaladores enfrentam uma parede de mais de 15m de altura em seis minutos. Os atletas usam cordas de segurança à medida que escalam mais alto na parede e completam o percurso caso se fixem no ponto superior. Se os escaladores caírem, sua pontuação é medida de onde eles se agarraram pela última vez, enquanto os escaladores que alcançaram a mesma altura serão classificados de acordo com sua velocidade.

A seis vezes campeã mundial da Eslovênia, Janja Garnbret, e a britânica Shauna Coxsey estarão entre as favoritas à medalha no evento feminino, enquanto Adam Ondra da República Tcheca e o campeão mundial do Japão Harada Kai devem ser destaque no masculino.

KARATÊ

É justo que o karatê faça sua estreia nos Jogos Olímpicos em Tóquio, com a disciplina secular do Japão se tornando a terceira arte marcial olímpica depois do judô e do taekwondo.

Significando “mão vazia”, o karatê terá um total de 80 competidores (homens e mulheres) competindo em várias categorias de peso diferentes em um de dois eventos, Kumite e Kata.

No Kumite, dois atletas enfrentam-se por três minutos, e os pontos são marcados mediante um golpe adequado (chute ou soco) na cabeça, pescoço, costas ou barriga de um oponente. O primeiro a alcançar oito pontos ou a pessoa com mais pontos após três minutos é o vencedor. Em caso de empate, quem conseguir o primeiro ponto é o vencedor.

Os competidores vitoriosos em cada categoria de peso avançam por uma rodada de eliminação e até as semifinais, antes de disputar a qualificação para a luta pela medalha de ouro.

Onde mais, senão em Tóquio, a arte marcial japonesa Karatê poderia estrear nos Jogos Olímpicos? Foto: Getty Images
Onde mais, senão em Tóquio, a arte marcial japonesa Karatê poderia estrear nos Jogos Olímpicos? Foto: Getty Images

Kata, que significa “formas”, é mais técnico e baseado em performance, com sete juízes avaliando quão fielmente um competidor pode recriar movimentos de uma miríade de técnicas tradicionais.

Talvez seja melhor resumido pelo instrutor Somnath Palchowdhury credenciado pela Associação Japonesa de Karatê.

“Kata é como uma biblioteca de movimentos e técnicas de karatê. Você pode ou não usá-los no Kumite devido à sua complexidade e natureza fatal. Kata é a herança do karatê e não se deve mudar a composição original”, disse Palchowdhury ao Canal Olímpico.

Cada país pode ter no máximo quatro homens e quatro mulheres, com o limite de um atleta por condado, em qualquer evento. O país anfitrião, o Japão, terá a cota total de oito competidores (quatro homens e quatro mulheres).

SKATEBOARDING

A lenda americana Tony Hawk ajudou a colocar o skate no mapa mundial, mas, infelizmente para o atleta de 52 anos, sua inclusão como esporte olímpico veio um pouco tarde demais.

Os patinadores nos Jogos de Tóquio competirão nos eventos “park” ou “street”, com percursos no Ariake Urban Sports Park de Tóquio projetados para replicar aqueles vistos durante eventos do campeonato mundial, mas em uma escala um pouco maior.

No evento de rua (realizado de 25 a 26 de julho), os patinadores subirão nas típicas escadas, corrimãos, meios-fios, bancos, paredes e rampas encontradas em muitos skateparks urbanos ao redor do mundo.

Os skatistas têm a liberdade de conduzir o percurso da maneira que acharem adequada dentro do limite de tempo designado, com pontuação baseada na dificuldade das manobras, altura obtida nos saltos, velocidade, originalidade, execução e composição de suas execuções.

Sky Brown, o prodígio do skate britânico de 12 anos, está prestes a chamar a atenção nos Jogos de Tóquio. Foto: Getty Images
Sky Brown, o prodígio do skate britânico de 12 anos, está prestes a chamar a atenção nos Jogos de Tóquio. Foto: Getty Images

A competição do parque está intrinsecamente ligada à área de Venice Beach, em Los Angeles, onde a cultura do skate explodiu na década de 1970 e piscinas vazias tornaram-se a tela na qual os skatistas aperfeiçoaram sua arte.

As descidas suaves e profundas no percurso do parque têm inclinações íngremes que os patinadores podem usar para se lançar em grandes alturas.

Os competidores são pontuados de acordo com a dificuldade e originalidade de suas execuções, com flips, spins e grabs entre a atraente variedade de manobras no evento de alta octanagem.

Todos os olhos estarão voltados para o prodígio do skate britânico Sky Brown, que busca fazer uma estreia olímpica de sucesso com a tenra idade de 12 anos, apesar de ter quebrado o pulso e a mão, além de fraturas no crânio quando caiu de um half-pipe no sul da Califórnia no passado ano.

BEISEBOL E SOFTBOL

Tecnicamente, esses dois seriam seis novos esportes nos Jogos de Tóquio, mas beisebol e softball já fizeram parte das Olimpíadas antes.

O beisebol e o softball estão de volta ao programa olímpico, estando ausentes desde os Jogos de Pequim em 2008.

A reintegração dos dois esportes ocorreu depois que o COI convidou o país anfitrião a propor a inclusão temporária de eventos adicionais, com a popularidade do beisebol e softball no Japão tornando-se uma escolha fácil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos