Tom Brady leva Tampa Bay ao título do Super Bowl, o 7º de sua carreira

·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO - SP - 16.04.2015: Tom Brady, jogador de futebol americano. (Foto: Raquel Cunha/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO - SP - 16.04.2015: Tom Brady, jogador de futebol americano. (Foto: Raquel Cunha/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Tom Brady, o maior jogador de futebol americano de todos os tempos, escreveu mais um capítulo da sua trajetória e do esporte neste domingo (7).

Aos 43 anos, o quarterback conduziu o Tampa Bay Buccaneers ao segundo título de Super Bowl (a final da NFL) da história da franquia da Flórida (o primeiro foi em 2003, referente à temporada de 2002), com direito a vitória arrasadora sobre os últimos campeões, o Kansas City Chiefs, por 31 a 9.

Brady também ganhou o maior jogo do esporte dos EUA em 2002, 2004, 2005, 2015, 2017 e 2019, sempre com o New England Patriots.

Agora, tem mais conquistas de Super Bowl (a partir de 1966) que qualquer equipe da liga. Quando decidiu trocar de casa pela primeira vez na carreira e defender um time com pouca tradição, o cenário era de incógnita. Mas ele --com uma grande ajuda da defesa da franquia neste domingo-- fez dar certo.

Numa temporada atípica, obviamente marcada pela pandemia de Covid-19, os Buccaneers tiveram o privilégio de ser o primeiro time da história a jogar o Super Bowl no próprio estádio --a definição do local ocorre com anos de antecedência.

O Raymond James Stadium abrigou público neste domingo: 7.500 trabalhadores da saúde convidados, que já receberam vacina para o coronavírus, 14,5 mil pessoas que puderam comprar ingresso e mais 2.700 em camarotes.

No aguardado duelo entre Brady e Patrick Mahomes, quarterback de 25 anos dos Chiefs que é visto como o principal talento para escrever os próximos capítulos do futebol americano, apenas o veterano brilhou, num dia em que tudo deu certo para seu time e tudo deu errado para o rival.

O primeiro tempo foi de superioridade dos Buccaneers, que marcaram dois touchdowns com a histórica combinação entre passe de Tom Brady para recepção de Rob Gronkowski. Ambos ganharam três títulos da NFL nos Patriots e se juntaram novamente na Flórida.

Quase no fim da metade inicial, foi Antonio Brown quem recebeu um passe do quarterback para ampliar a vantagem.

Já Mahomes não conseguiu ser produtivo como se esperava (e quando o fez viu seus recebedores falharem), e o ataque dos Chiefs pontuou apenas com dois chutes certeiros até o intervalo. Enquanto isso, a defesa dos últimos campeões cometia uma série de faltas que comprometiam as tentativas de segurar o ataque rival. Placar parcial de 21 a 6.

Enquanto o cantor The Weeknd fazia seu show no intervalo, os times foram para os vestiários. Mas não houve grandes mudanças quando retornaram de lá.

A equipe da casa marcou mais um touchdown, numa corrida de Leonard Fournette, e depois pôde apenas administrar o confronto. A Mahomes restou aplaudir Brady (eleito pela quinta vez o melhor da final), enquanto lidava com dores em campo, e levar a lição para as outras decisões que deverá vir a disputar na carreira.

O Super Bowl 55 também ficará marcado por ter sido o primeiro com a participação de uma mulher na equipe de arbitragem. Sarah Thomas, 47, foi a responsável pelo feito inédito.