Tite não é fantoche e deve, sim, pensar em pedir demissão da seleção brasileira

·2 minuto de leitura

Qual o técnico de futebol que nunca sonhou em ganhar uma Copa do Mundo? Tite certamente não fica fora desta lista. Teve uma primeira oportunidade em 2018, quando parou nas quartas de final, e ganhou respaldo para seguir à frente da seleção brasileira rumo a 2022. Porém, diante dos mais recentes fatos, ele deveria pensar, sim, em entregar o cargo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Alguns, obviamente, o chamariam de fraco ou, até, oportunista. No entanto, ninguém é obrigado a passar por constrangimentos. E é o que vem acontecendo, no momento, com o comandante da equipe mais famosa do planeta. Mesmo que ele diga que "está em paz" consigo e que pressões são normais em momentos de turbulência, ter que lidar com cidadãos como Rogério Caboclo não é para qualquer um.

Treinador da seleção diz "estar em paz" | Buda Mendes/Getty Images
Treinador da seleção diz "estar em paz" | Buda Mendes/Getty Images

Enquanto o dirigente se esconde atrás de seu cargo e tenta, com base na política e nos interesses pessoais, ficar por cima e de bem com os poderosos, é um mero funcionário que precisa dar a cara a tapa. E isso não é nada bom. Tite, como todos, possui defeitos e virtudes. Muitos podem alegar que, em determinadas situações, seu discurso foi incoerente com seus atos. Mas isso não dá a ninguém o direito de usá-lo como fantoche.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Um funcionário deve obedecer o seu patrão? Dentro de um contexto normal de trabalho, sim. E todos nós sabemos que este contexto não existe no ambiente da CBF. O técnico da seleção brasileira precisa ter a confiança do seu patrão e, ao mesmo tempo, confiar nas ações de quem é hierarquicamente superior. Com Caboclo, isso é possível? Obviamente, não. Por isso, qualquer que seja a decisão, Tite precisa ser respeitado. E se ele resolver entregar o boné, não estará fazendo nada diferente do que muitos cidadãos de bem fariam em seu lugar.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos