Tite foi do céu ao inferno quando mais arriscou na Seleção pós-Copa

Goal.com

O que há de comum na primeira convocação feita por Tite após a eliminação no Mundial de 2018 para a última antes da Copa América 2019? Em ambas, o número de jogadores que não estiveram na Rússia no caminho até as quartas de final foi o mesmo: 11, o maior no total de quatro listas divulgadas para os amistosos que iniciaram o novo ciclo sob o comando do treinador.

Ao longo de suas convocações, Tite preocupou-se em rejuvenescer o grupo: Arthur, Paquetá, Vinícius Júnior, Malcom, David Neres, Richarlison e Eder Militão são alguns dos nomes que demonstram isso. Em meio a uma grande variedade de escalações, para fazer testes, a idade alternou de acordo com o adversário. Contra EUA, Argentina, Uruguai e Camarões – os maiores desafios técnicos pós Copa – a média de idade dos titulares foi maior.

Os testes para os mais jovens aconteceram justamente nos duelos teoricamente mais fáceis. Contra El Salvador e Panamá o Brasil entrou em campo com equipe titular de 25,2 e 25,3 em média de idade, respectivamente. Também foram os amistosos em que Tite mais arriscou mudanças na comparação com os atletas de linha chamados para a Copa do Mundo. Em ambos os casos, foram cinco novidades.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Neymar Richarlison Alex Sandro Casemiro Brazil El Salvador Friendly 11092018
Neymar Richarlison Alex Sandro Casemiro Brazil El Salvador Friendly 11092018
Seleção na goleada sobre El Salvador (Foto: Getty Images)

Na primeira oportunidade, o teste deu muito certo. A goleada por 5 a 1 sobre El Salvador foi a maior no período pós-Copa e teve como grande destaque Richarlison, estreante como titular, autor de dois gols. Otimismo em alta. Já na segunda vez que o treinador arriscou, o roteiro seguiu um caminho absolutamente oposto: empate vergonhoso, 1 a 1, contra o Panamá. Desempenho criticado e o pessimismo de que não existe luz no fim do túnel. Nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno.

Fagner Brasil Panamá 23 03 2019
Fagner Brasil Panamá 23 03 2019
Decepção contra o Panamá (Foto: Getty Images)
GFX Brasil Rep Tcheca
GFX Brasil Rep Tcheca
Escalação provável contra a República Tcheca

Contra a República Tcheca, nesta terça-feira (26), Tite fez seis mudanças em relação à escalação titular contra o Panamá. Manteve o criticado Coutinho e outros cinco atletas de linha que estiveram no Mundial (Alex Sandro, Allan, Richarlison e Paquetá são as exceções). Uma mistura de experiência com o que há de novo, menos arriscada para um adversário menos pior em relação aos panamenhos.

Restam alguns meses até o pontapé inicial da Copa América 2019, que será realizada aqui no Brasil e poderá decidir a continuidade de Tite. Até lá, muita coisa ainda vai acontecer. Uma das mais benéficas, o treinador passará a ser tratado da forma como a sua trajetória na Seleção merece até o presente momento: sem exaltação desnecessária, mas ciente de que existe ao menos uma linha de trabalho pensando na formação de um grupo forte para fazer a equipe nacional não apenas vencer. É preciso convencer.

Leia também