Tite espera jogos contra europeus para determinar nível dos rivais

O técnico Tite não esconde a felicidade pelo bom momento da Seleção Brasileira, com 100% de aproveitamento desde que ele assumiu o comando da equipe, mas espera assegurar uma vaga na Copa do Mundo do ano que vem para avaliar o nível do time com relação aos principais rivais do mundo. Entusiasmado com os elogios recebidos após a goleada por 4 a 1 sobre o Uruguai, ele disse que não tem assistido aos jogos dos grandes europeus, preocupado apenas em analisar os rivais sul-americanos, como o Paraguai, adversário desta terça-feira, às 21h45 (de Brasília), no estádio de Itaquera.

A gente vê muitos elogios, mas um ficou muito marcante. O Cavani falou que a gente jogou como uma equipe com o Marquinhos, é uma prova que o atleta sentiu isso dentro de campo. Esse foi marcante, até porque dentro de campo é o que importa. Esse comentário me deixou muito feliz”, contou o treinador, explicando sua rotina assistindo aos jogos dos adversários para justificar a “falta” de conhecimento de Alemanha, Itália e companhia.

“Não consigo estabelecer quem está bem porque não tenho acompanhado para comparar o nosso time com outras equipes. Não dá tempo. Por exemplo, o [Francisco] Arce (técnico da seleção paraguaia) treinou cinco jogadores diferentes para vir para cá. Então eu tenho muita coisa para me preparar aqui. Futuramente, no período de amistosos, poderei responder com mais propriedade. Agora é só nosso desempenho e Paraguai”, avaliou.

A princípio, Tite já sabe que terá um desafio complicado pela frente no ano que vem, contra a Alemanha, em duelo marcado para o dia 27 de março de 2018, em Berlim. De acordo com o diretor de seleções da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Edu Gaspar, a ideia é enfrentar ao menos mais duas seleções que tenham grande relevância mundial antes de disputar a Copa da Rússia, em 2018.

Enquanto não conseguir assegurar sua vaga matematicamente, porém, Tite não quer falar sobre o futuro diante de rivais europeus. Com 30 pontos na tabela de classificação, a Seleção pode até assegurar uma vaga na Copa do Mundo se conseguir uma vitória sobre os paraguaios. Para que isso aconteça, porém, precisaria que tanto Chile quanto Equador, que enfrentam Venezuela e Colômbia, respectivamente, percam seus jogos.

“Nós olhamos as tabelas de 2010 e 2006, quando tinha dez equipes, e quem fez um percentual de 52% dos pontos se classificou. Isso remetia a 28 pontos, mas não assegurava porque quem está lá embaixo pode começar a perder e, lá em cima, o pessoal aumenta o número de pontos. A gente fica monitorando. Aquelas duas últimas passaram com 28, mas com 30 não está matematicamente ainda”, assegurou Tite, em meio a uma “cruzada” para evitar que os jogadores diminuam a intensidade com a proximidade da vaga.

“Não posso deixar com que atletas fiquem felizes com desempenho, não vou fazer. Mas saber que o fato de uma grande atuação não facilita em nada trabalho e enfrentamento com o Paraguai, o mesmo time que não vencemos nos últimos quatro jogos, que venceu Argentina fora de casa e está buscando classificação. O Paraguai não quer saber se vencemos. Se estivesse do outro lado, faria a mesma coisa”, concluiu o comandante.