Tite diz ter sido contra série com bastidores da Seleção: 'Momento importante, queria privacidade'

Rodrigo Portella
LANCE!


A Amazon estreou, nesta sexta-feira, a série "Tudo ou nada: Seleção Brasileira", que revela os bastidores da conquista da Copa América 2019 pelo grupo de Tite. A produção, feita enquanto a competição era disputada no Brasil promete exibir detalhes que os torcedores não têm acesso.

Em coletiva, os produtores Malu Miranda e Felipe Briso, além do treinador da Seleção, Tite, contaram como foram as filmagens. Mesmo que o resultado em campo tenha sido positivo, eles revelaram que a intenção era demonstrar a realidade dos craques fora dos gramados e afirmaram que o comandante da Seleção não gostou da ideia no início.

- Confesso que inicialmente eu tinha uma opinião contrária. Ela era inicialmente contrária. Mas, nas conversas que nós tivemos, junto da comissão, essa privacidade aconteceria. É claro que nós tivemos esse convívio diário, mas houve essa privacidade. Era um momento muito importante. A necessidade que se tinha de desempenho e vitória ela era imperiosa - disse ele, e seguiu:

- Por uma série de aspectos: vinda de uma desclassificação do Mundial, pós-Copa no Brasil, final no Maracanã. Isso gera um nível de expectativa altíssimo e um nível de pressão altíssimo. E eu queria filtrar isso, na medida do possível. A partir do momento que teve essa conversa, onde o Edu (Gaspar) me deu essa privacidade, tudo foi naturalidade - explicou o treinador da "Amarelinha".

A série, que tem cinco episódios com uma hora de duração cada,
acompanha a jornada da Seleção Brasileira durante a conquista da Copa América 2019, com acesso exclusivo aos bastidores em diversos momentos do campeonato, e estará disponível exclusivamente no "Amazon Prime Video" em mais de 200 países e territórios.








Tudo ou Nada - Seleção Brasileira
Tudo ou Nada - Seleção Brasileira
Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Felipe Briso, Malu Miranda e Tite conversaram com a imprensa (Foto: Rodrigo Portella/Lance!)

Para Malu, Head de International Originals Brasil, do Amazon Studios, um dos destaques da série foi a verdade entre os produtores e os atletas, além de mostrar ao público apaixonado por futebol um universo dos atletas como humanos.

- É abrir pela cortina e poder ver o dia a dia. Então, depois de ter feito no futebol americano, nos Estados Unidos, a gente vê a cede do consumidor pelo dia a dia. Tem muitos mitos e é bacana para o consumidor poder ver o cotidiano, o trabalho. A gente está muito feliz por poder mostrar essas imagens de um trabalho muito árduo - comentou ela.

O comandante da Seleção Brasileira afirmou ter tido diversas reuniões com os produtores para que não fosse um problema as câmeras dentro das intimidades do elenco. A ideia dele era filtrar a pressão exterior sob à equipe na competição. Tite ainda contou uma situação curiosa:

- No começo, eu fui mal-educado com eles (os produtores da série) e depois me desculpei. Fui grosso, eu disse: "Não, agora não, deixa...", dentro do vestiário. E depois me desculpei. Existem momento em que o tom da voz volta, eu tenho que exigir do atleta, eu quero cobrar - revelou o técnico, que também comandou a Seleção na Copa do Mundo de 2018.





Em coletiva, Felipe Briso, produtor da série, comentou o processo de caminhar junto dos atletas, antes do início da competição, em 2019. Segundo Briso, houve uma confiança entre os que estava por trás das câmeras para obter a naturalidade dos atletas.

- Desde a Granja Comary, que nos ajudou a entrar nessa competição que é bem mais sensível, e aos poucos ir entendendo, ir se apresentando aos poucos (à comissão e atletas). Enfim, estabelecer uma confiança. Mostrar que estamos juntos e no mesmo objetivo - afirmou ele sobre o diferencial da série.

Na última quinta-feira, um evento apenas para convidados contou com Tite, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, e pessoas envolvidas com a série, na Cidade da Arte, no Rio de Janeiro, marcou a primeira exibição de "Tudo ou nada".




Leia também