Tite diz que precisou pedir calma no intervalo para tirar pressão de jogadores

Técnico Tite durante partida Brasil x Sérvia

(Reuters) - O técnico Tite precisou pedir calma aos jogadores da seleção brasileira no intervalo da partida de estreia da equipe na Copa do Mundo contra a Sérvia, nesta quinta-feira, por perceber que os jogadores estavam se sentindo pressionados pela necessidade de vencer, afirmou o treinador após o Brasil ganhar por 2 x 0.

Tite lembrou que o Brasil estreou com empate no Mundial de 2018 contra a Suíça, por 1 x 1, o que resultou numa pressão para o restante da fase de grupos.

"Se adquiriu confiança com o trabalho até agora, tenha coragem de continuar com confiança. Mas é difícil, ela é uma construção. Tanto é que chegou no intervalo eu também tive que trazer para baixo o emocional, pedir calma... porque estava ´primeiro jogo, expectativa, tu tem que vencer´. No outro Mundial a gente saiu empatando e saiu uma pressão muito grande", disse Tite em entrevista coletiva após a partida.

O Brasil foi para o intervalo empatando sem gols com os sérvios, que montaram uma forte defesa que parou a formação ofensiva do Brasil com quatro atacantes. No entanto, desde o início do segundo tempo o Brasil criou diversas chances de gol e acabou marcando duas vezes com Richarlison.

Tite enalteceu o trabalho coletivo da equipe e minimizou as escolhas que fez na escalação titular e as atuações individuais.

"Eu não ganho, nós ganhamos. Quem ganhou foi a seleção brasileira. O Tite individualmente participa disso", afirmou.

O técnico também foi novamente questionado pelas escolhas feitas na convocação do elenco brasileiro, especificamente em relação aos centroavantes que levou ao Catar, após uma grande atuação de Richarlison, que marcou os dois gols da equipe.

"Eu tinha sete noves para convocar e qualquer que convocasse estaria bem. Veio Pedro, veio Richarlison e veio Gabriel (Jesus). Podia ter vindo (Gabriel) Barbosa, podia ter vindo Firmino, podia ter vindo (Matheus) Cunha, podia ter vindo Hulk. Tem que escolher nessa situação".

O técnico ainda enfrentou questões sobre seu posicionamento em relação às fortes críticas que o país anfitrião vem sofrendo durante o torneio.

"Meu posicionamento é ligado ao esporte... é a atividade que eu tenho domínio e aquela que eu busco. Eu quero ser um exemplo como técnico, mas entendo o contexto todo dela e quero sim e luto para que haja igualdade, qualquer que seja, e que não haja discriminação", disse Tite.

(Reportagem de Fernando Cardoso, em São Paulo)