Tite chama 7 do Brasil e mostra fim de pudor por desfalcar times

MARCOS GUEDES
Folhapress
***ARQUIVO***KAZAN, RÚSSIA, 07.07.2018: O técnico da seleção brasileira, Tite. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO***KAZAN, RÚSSIA, 07.07.2018: O técnico da seleção brasileira, Tite. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um constrangido Tite teve de explicar, em algumas das convocações da seleção realizadas no ano passado, por que havia atletas do futebol brasileiro nas listas. Houve situações em que o treinador disse ter deixado de incluir jogadores na relação para evitar que algum clube fosse muito prejudicado.

Isso ficou para trás na primeira convocação de 2020. Nela foram lembrados sete atletas que atuam no Brasil, e o técnico não se desculpou. A equipe nacional começará neste mês a disputar as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, e, diante da importância da disputa, não há planos de minimizar desfalques.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Não", disse o comandante, respondendo se havia ocorrido alguma negociação com os times para a confecção da lista. "É início de Copa do Mundo, uma responsabilidade grande. Não tem relação com Flamengo ou com nenhum clube. Tem autonomia na escolha de atletas."

O Flamengo foi citado porque é a equipe com mais convocados, com Everton Ribeiro, Bruno Henrique e Gabriel Barbosa -só o francês Paris Saint-Germain teve o mesmo número de nomes. Do futebol brasileiro, também foram chamados Ivan, da Ponte Preta, Weverton, do Palmeiras, Daniel Alves, do São Paulo, e Everton, do Grêmio.

A relação para os jogos contra a Bolívia, no próximo dia 27, no Recife, e contra o Peru, em Lima, no dia 31, não causará grandes transtornos, já que não haverá partidas dos estaduais no fim de semana dos dias 28 e 29. Mas a situação será problemática ao longo do ano, sobretudo durante a disputa da Copa América.

A competição continental de 2020 será realizada de 12 de junho a 12 julho, com sede dividida entre Argentina e Colômbia. No período, haverá dez rodadas do Campeonato Brasileiro, o que promete causar dificuldades aos times que tiverem jogadores na lista de Tite.

De acordo com o jornalista Paulo Vinícius Coelho, colunista da Folha de S.Paulo, o Flamengo analisa a possibilidade de cobrar a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) pelos dias em que seus atletas estiverem a serviço da seleção. Na visão do clube, a Lei Pelé dá respaldo ao pedido, embora não haja histórico recente de utilização desse recurso.

"A entidade convocadora indenizará a cedente dos encargos previstos no contrato de trabalho, pelo período em que durar a convocação do atleta, sem prejuízo de eventuais ajustes celebrados entre este e a entidade convocadora", diz o artigo 41 da lei.

Tite, no momento, não parece dar bola para isso. E olha para o futebol brasileiro, especialmente na esteira do sucesso rubro-negro, como ainda não havia feito na formação nacional. Ele já tinha chamado sete atletas do país em uma convocação do ano passado, mas ainda era um período de testes em amistosos.

"Antes, havia uma margem de erro. Agora, as situações se fecham, com oportunidades menores", afirmou o gaúcho, deixando claro que o grupo escalado para o início das eliminatórias é mesmo o que ele considera o principal, apenas sem o goleiro Alisson, machucado: "Começou a Copa do Mundo".

O treinador considera o momento tão importante que chamou 24 jogadores, um a mais do que o habitual. O motivo é que o atacante Gabriel Jesus, suspenso pelo cartão vermelho recebido na final da última Copa América, só estará à disposição para a segunda partida, diante do Peru.

Ele e outros oito atletas que atuaram no Mundial da Rússia, em 2018, estão na nova etapa da seleção. Alisson, agora fora por lesão, é mais um que continua nos planos. Há também gente com pouca ou nenhuma experiência na equipe principal do Brasil, casos de Ivan, Felipe e Bruno Guimarães. Éverton Ribeiro esteve no grupo com Dunga, mas nunca havia sido chamado por Tite.

O treinador também está de olho no que vem sendo feito na equipe sub-23, que se prepara para disputar os Jogos Olímpicos. André Jardine convocou o time para amistosos no fim do mês com nomes que já estiveram no elenco de cima, como Lucas Paquetá e Vinicius Júnior.

Já o meio-campista Gerson, que vem chamando a atenção no Flamengo e tem idade olímpica, não foi chamado para a formação principal nem para a sub-23. No início do ano, ele recusou a convocação para o torneio pré-olímpico e deixou insatisfeita a comissão técnica.

Leia também