Thaila Ayala conta que fugiu de casa aos 15 anos: "Menina cheia de sonhos"

Bárbara Saryne
·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Instagram/@thailaayala
Foto: Reprodução/Instagram/@thailaayala

Thaila Ayla surpreendeu seus seguidores com um forte desabafo nesta quarta-feira (4). A atriz publicou um textão para dizer que tem problema com despedidas e por isso sempre viveu na defensiva. O medo de se apegar e perder alguém era tanto que ela evitava amizades e “antecipava a solidão”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

Em um trecho do texto, Thaila contou que fugiu de casa aos 15 anos para nunca mais voltar. “Aprendi a bloquear meus sentimentos desde muito pequena, preferia não sentir para não sofrer depois, preferia não criar laços pra que não houvessem despedidas por onde passei. Talvez seja por não ter tido a chance de me despedir quando com 15 anos fugi de casa no interior de SP pra tentar a vida na cidade grande”, disse ela.

Leia também

Na época, a estrela abriu mão de tudo e encarou até a fome para se manter longe da família. “Como foi difícil ser apenas uma menina cheia de sonhos, perambulando por uma cidade grande e fria como São Paulo. Por anos vivi sem a previsão de quando poderia ver a minha família de novo, ou pagava o ônibus ou pagava a comida, conseguia vê-los 1 vez no ano e teve vezes que nem isso”, revelou.

Para não sentir saudade, Thaila evitava até telefonemas da família e seguiu o mesmo caminho com os amigos que apareciam. Segundo ela, os poucos que conseguiam se relacionar nunca puderam contar 100% com sua entrega e disponibilidade. “Quando ultrapassavam esse lugar eu logo tratava de destruir tudo porque não sabia lidar com a possível perda que na minha cabeça tinha data pra acontecer”, enfatiza.

Com o tempo, a esposa de Renato Góes diz que amadureceu e concluiu que estava agindo errado. Ela aproveitou a postagem para mandar um recado bem direto aos amigos e familiares que sofreram com sua ausência durante todos esses anos.

“Sozinha é ruim demais, não vale a pena viver essa vida sem a dor da despedida, sem os laços que nos mantém vivos. Entregar só metade de você faz com que você só viva e receba pela metade e metade é pouco demais. Merecemos tudo inteiro, transbordar é a melhor sensação do mundo”, finalizou.

View this post on Instagram

TEXTÃO ❣️ Sempre tive um sério problema pra despedidas, que nunca soube dizer tchau, não contava para as pessoas que dia ia, nem pra onde, simplesmente ia, o “até logo” sem saber quando seria esse “logo” sempre me angustiou a ponto de criar outras realidades na minha cabeça. Aprendi a bloquear meus sentimentos desde muito pequena, preferia não sentir pra não sofrer depois, preferia não criar laços pra que não houvessem despedidas por onde eu passei. Talvez seja por não ter tido a chance de me despedir quando com 15 anos fugi de casa no interior de Sp pra tentar a vida na cidade grande. Entrar num ônibus sozinha pra nunca mais voltar, deixando pra trás a família, a escola, os amigos, tudo o que conhecia rumo ao desconhecido, a solidão, ao perigo, a fome, a tristeza e tantas vezes a desesperança... Como foi difícil ser apenas uma menina cheia de sonhos, perambulando por uma cidade grande e fria como São Paulo. Por anos vivi sem a previsão de quando poderia ver a minha família de novo, ou pagava o ônibus ou pagava a comida, conseguia vê-los 1 vez no ano e teve vezes que nem isso. Assim fui levando a minha vida por anos, fechada, fazendo o possível pra endurecer meu coração, tentava falar o menos possível com a família pra não sofrer, tentava ir cortando todo laço afetivo pq ser sozinha me parecia ser mais fácil naquele momento. Me fechando pra amizades, pra tudo e absolutamente todos, os que conseguiam se relacionar comigo sempre tinham menos da metade de mim e quando ultrapassavam esse lugar eu logo tratada de destruir tudo pq não sabia lidar com a possível perda que na minha cabeça tinha data pra acontecer. Levei MUITOOO tempo, aliás tempo demais da conta numa vida tão curta pra entender que sozinha é ruim demais, que não vale a pena viver essa vida sem a dor da despedida, sem os laços que nos mantém vivos. Que entregar só metade de você faz com que você só viva e receba pela metade e que metade é pouco demais, que merecemos tudo inteiro, que transbordar é a melhor sensação do mundo. Esse texto é pra todos que escolheram estar do meu lado nessa trajetória mesmo tendo tão pouco de mim por tanto tempo, me ajudando a enxergar a beleza de ser inteiro. Amo vocês

A post shared by Thaila Ayala (@thailaayala) on