Terror das Copas! Destaque do México, goleiro Ochoa já brilhou contra Vasco e Flamengo


Sempre quando aparece o nome de Guillermo Ochoa, os brasileiros lembram dos confrontos diante dos mexicanos em Copas. No Brasil, em 2014, Ocho foi o grande responsável pelo empate sem gols na fase de grupos que tirou os 100% de aproveitamento da Seleção Brasileira.

Quatro anos depois, o nome de Ochoa quase complicou mais uma vez o Brasil. Nas oitavas de finais, na Rússia, o camisa 13 da seleção mexicana fez mais uma brilhante partida e quase impediu o Brasil de avançar para as quartas de finais. Os gols de Neymar e Roberto Firmino, que garantiram a classificação brasileira, saíram depois de três ou quatro grandes defesas do arqueiro, que tiraram o sono dos brasileiros.

Mas o que gera curiosidade mesmo em relação a Ochoa é que o goleiro parece ser conhecido dos brasileiros apenas em Copas e quando enfrenta o Brasil. M

Ochoa
Ochoa

MARTIN BERNETTI / AFP

CARREIRA NO FUTEBOL MEXICANO

Ochoa chega para sua quinta Copa do Mundo na carreira, porém a terceira como titular. Nos Mundiais de 2006 e 2010 ele foi reserva da seleção mexicana. No primeiro, Ochoa tinha apenas 21 anos e o titular foi o veterano Oswaldo Sánchez. Já na África do Sul, Óscar Pérez era o arqueiro principal. Porém, nas Copas seguintes assumiu a vaga e nunca mais largou.

Ao todo, Ochoa soma 133 jogos oficiais como titular do gol do México - contando a partida desta terça-feira diante da Polônia. Ele também é considerado um dos melhores goleiros da história do México e ídolo da equipe de maior torcida do país, o América. Sua primeira partida como profissional foi em 2003/04, quando com apenas 19 anos assumiu a posição de titular do clube.

Ficou no América até 2011, quando foi para o Ajaccio, da França. Foi pela equipe francesa que foi titular da Copa no Brasil e, após o Mundial, assumiu o gol do Málaga, da Espanha. Ainda teve passagem pelo Granada por uma temporada e mais dois anos na Bélgica, no Standard Liége, retornando ao América em 2019.

Aos 37 anos, Ochoa já foi especulado em diversos clubes do Brasil, porém o alto salário que recebe no América, unido a sua idolatria, sempre dificultaram a saída do carrasco brasileiro em Copas.