Tenista diz que físico atrai mais que desempenho esportivo

Tenista romena Sorana Cirstea é a atual número 38 no ranking da WTA. Foto: Robert Prange/Getty Images
Tenista romena Sorana Cirstea é a atual número 38 no ranking da WTA. Foto: Robert Prange/Getty Images

A tenista romena Sorana Cirstea, de 32 anos e atual número 38 no ranking da WTA, foi honesta durante uma entrevista no podcast 'La Fileu' sobre como as marcas prestam mais atenção aos tenistas pelo físico do que pelo desempenho esportivo.

Durante sua participação no programa, Cirstea não hesitou em contar suas experiências ruins para tentar ajudar outros atletas que agora estão começando no mundo do tênis.

Leia também:

"Lembro-me de quando assinei contrato com a Adidas. O tempo todo, e considerando que eu parecia bom para ser atleta, eles me diziam: 'É melhor ficar bem e ser Top-20 do que não ser tão bonito e ser número um. Quando você está no Top-20, eles te veem em todos os lugares, você está lá 24 horas por dia, sete dias por semana, em todas as semanas, em todos os torneios. E eles me disseram: 'É melhor ser bonita e estar no Top-10 ou no Top-20 que ser feio e ser o número um.' Aí você percebe que eles têm suas cotas e que tudo é mercado”, disse a tenista sobre conversas com uma conhecida marca esportiva que tentou aconselhá-la para a sua carreira desportiva.

"Por exemplo, os mais bem pagos são americanos, chineses ou japoneses. No Japão, o mais bem pago é Osaka, tem sido o atleta mais bem pago de todos os esportes nos últimos anos. É o mercado! A Grã-Bretanha vende e a Espanha também vende. O Leste Europeu não vende! Não é a mesma coisa e depende muito de você e da sua personalidade, como você inspira as pessoas e como você se apresenta, isso também importa muito."

Além disso, Sorona Cirstea aproveitou o recente anuncio da aposentadoria de Serena Williams e contou a frieza da americana no vestiário e como ela conseguiu intimidá-los antes dos jogos.

"Serena costumava me intimidar muito, ela foi treinada para isso, para intimidar você no vestiário. A primeira coisa que Serena não queria falar com ninguém no vestiário, sem outros jogadores, embora tivéssemos um vestiário compartilhado. É um pouco estranho no começo quando você vê alguém na TV e depois joga contra eles. No vestiário eu não falava com ninguém e tinha uma aura que te intimidava”, finalizou.