O que essa onda tem?

Yahoo Esportes
Ondas com mais de 6 metros que parecem sair do Photoshop (Surf Galaxy)
Ondas com mais de 6 metros que parecem sair do Photoshop (Surf Galaxy)

Por Emanoel Araújo

Em Teahupoo, a previsão do final de semana indicava que as ondas chegariam antes do início do evento (de 21/08 a 01/09). As triagens (classificatório para ingressar no evento principal) reuniram atletas que normalmente surfam ondas grandes, como o brasileiro Lucas “Chumbo” Chianca e o havaiano Nathan Florence.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Esse fato, no entanto, não é mera coincidência. A parte sudoeste da Polinésia Francesa recebe ventos e temporais vindos de milhares de quilômetros, lá do Mar da Tanzânia. O estopim acontece em uma costa que sobe abruptamente de 13 quilômetros de profundidade para menos de dois metros, e aí se formam as perfeitas e temidas ondas de Teahupoo – ou “Praia dos Crânios Quebrados”, em polinésio. Uma das melhores e mais poderosas ondas do mundo é também a mais desejada e esperada entre os surfistas. As massas de água que quebram por lá fazem parte dos enredos mais fantásticos do surfe. Abaixo, estão alguns capítulos dessa história.

Leia também:

Em dias grandes, surfar sem prancha presa no pé e colete pode ser fatal (Sean David)
Em dias grandes, surfar sem prancha presa no pé e colete pode ser fatal (Sean David)

:: CAPÍTULO I: A ONDA DO MILÊNIO

Parece que foi ontem, mas em 17 de agosto de 2000 – às vésperas do terceiro milênio – o espetáculo aconteceu. Neste dia, a força da natureza criou ondas de até seis metros. Após surfar algumas menores (2 a 3 metros), o havaiano Laird Hamilton soltou a alça do jet-ski e entrou em um túnel de água com mais de 5 metros de altura. De forma nada usual, com o bico em direção aos corais, ficou – por 10 segundos – dentro de um túnel de água.

"A baforada o fez desaparecer e todos os barcos e as equipes de filmagem estavam tentando não serem engolidos pelo monstro [a onda]. Quando saímos da arrebentação, nós vimos Hamilton aparecer atrás de uma nuvem de água branca, bem perto de nós”

Tim McKenna - fotógrafo (e testemunha) em entrevista a Surfer Today

:: CAPÍTULO II: FAMA E DRAMA

Até 1986 poucas pessoas tinham registros das ondas do Taiti. Este é o ano de lançamento do filme de surfe Tahiti Dreams, protagonizado pelo surfista local Vetea David em uma onda chamada Taapuna. Até então, ninguém sabia o que era Teahupoo.

Uma onda em que tudo pode acontecer: local Raimana Van Bastolaer foge de um jet ski descontrolado (Brian Bielmann)
Uma onda em que tudo pode acontecer: local Raimana Van Bastolaer foge de um jet ski descontrolado (Brian Bielmann)

A parte assustadora dessa onda ficou maior uma semana antes da edição de 2000 da etapa taitiana. O local Briece Taerea foi pego por uma onda de 4,5 metros e teve seu pescoço e costas quebradas. Mesmo resgatado, morreu por conta das lesões. Esta foi a prova clara de que há dias em que Teahupoo honra o próprio nome e, de fato, quebra crânios.

:: CAPÍTULO III: ANDY IRONS

Ele virou nome de prêmio que já emocionou Kelly Slater a Ricardinho do Santos. O troféu, oferecido desde 2011, tem o nome de Andy Irons Forever (Andy Irons Eterno). Uma graça concedida ao surfista com a atuação mais inspiradora do evento.

Kelly Slater recebe o Andy Irons Forever (Reprodução)
Kelly Slater recebe o Andy Irons Forever (Reprodução)

Influência do tricampeão mundial que entubava como poucos em Teahupoo e teve uma história peculiar. Após voltar ao surfe de elite, Andy Irons buscava sua primeira vitória após três anos. Em uma final com ondas de 1,5 metro, ele superou o americano C.J. Hobgood e venceu seu último título no World Championship Tour.

“Tenho de agradecer a ASP [organização da época] por me dar o convite de volta aqui. Meu sonho foi para voltar e ganhar apenas uma competição, e eu fiz isso agora. Eu quero mais. E ganhar em Teahupoo, é a minha onda preferida no mundo. É uma vitória muito especial"

Andy Irons – entrevista após vitória no Tahiti Pro Teahupoo 2010

Com a vitória, Andy subiu nove posições no ranking e, após três anos, voltava a disputar o título. Exatos dois meses depois, ele foi encontrado morto em um quarto de hotel no Texas. Uma parada cardíaca após o uso agudo de drogas levou um dos melhores surfistas de sua geração.

:: CAPÍTULO IV: A DESCOBERTA DO BRASIL

Foi nessa onda que o mundo do surfe tirou todas as dúvidas sobre o potencial do esporte no lado de baixo do Equador. Em 2014, Gabriel Medina chegou a sua primeira final na ilha. Não por coincidência, esta edição é considerada a melhor etapa de Teahupoo da história. O terceiro colocado, John John Florence, foi eliminado mesmo tendo tirado uma nota 9.90 e outra 9.87.

A final entre Kelly Slater e Gabriel Medina começou com parte do mundo do surfe subestimando o brasileiro, mas terminou como uma passagem clara de bastão. A partir daquele momento, quem reinaria em Tahupoo seria Gabriel Medina. Nos últimos cinco anos, foram quatro finais disputadas.

Siga o Yahoo Esportes: Twitter | Instagram | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também