Talisca Reis, do Taekwondo, realizará cirurgia no quadril, pensando nos Jogos Olímpicos de 2024


A atleta da seleção brasileira de Taekwondo, Talisca Reis, realizará uma cirurgia no quadril, nesta segunda, em São Paulo, para que possa treinar e competir sem sentir dores, ao realizar certos movimentos de chutes. Ela pretende aproveitar a ausência de competições devido à pandemia para focar em uma boa recuperação, visando os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris.

Talisca começou a sentir dores no quadril em 2017, mas como tinha um ciclo olímpico pela frente, foi adiando e adaptando os treinos da forma que se sentisse melhor. Durante os treinamentos e competições, chegou a fazer infiltração para ter um melhor rendimento em alguns torneios, mas com a sequência de campeonatos, aumentou ainda mais a necessidade da cirurgia. Por ter perdido a vaga olímpica para Tóquio e estar em meio à pandemia, ela optou por realizar a intervenção cirúrgica neste período.

- Eu venho sentindo dores no quadril desde 2017 e a medida que os anos foram passando, só piorava, o ano passado, passei o ano inteiro sentindo dor todos os dias, tomava remédio pra vê se aliviava, as vezes deixava de treinar um dia, para treinar melhor no dia seguinte e eu fui me adaptando a isso. Tive que mudar movimentos de chutes, fui fazendo várias adaptações e vejo que agora é a hora certa para realizar a cirurgia. Vou aproveitar que não está tendo campeonatos - comentou a atleta, que precisará ficar de 3 a 6 meses parada por conta da cirurgia.

Fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio, a atleta agora mira o próximo ciclo olímpico. Com isso, Talisca já pensa em disputar o mundial do ano que vem e conseguir chegar na melhor forma física possível na Olimpíada de Paris, em 2024.

- Meu objetivo era Tóquio, era encerrar a carreira após os Jogos Olímpicos, e ter perdido a vaga mexeu muito comigo, eu tinha outros planos após os Jogos, então mexeu muito comigo, fiquei pensando se realmente queria enfrentar mais um ciclo, se iria abrir mão no momento dos meus outros objetivos e eu decidi que vou lutar rumo a Paris 2024. Fazer a cirurgia já estava nos meus planos, como venho sentindo dores já tem alguns anos, então acredito que a cirurgia sendo feito agora, vou poder me recuperar bem e voltar a treinar sem dor, sem stress, poder treinar todos os chutes da forma correta e quem saber chegar bem na próxima Olimpíada e ai sim, encerrar a carreira - afirmou a atleta, de 30 anos.









Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também