Taça, torcedores e seleções começam a chegar ao Catar a uma semana da Copa

A uma semana da Copa do Mundo 2022, o troféu mais cobiçado do planeta retornou ao Catar neste domingo, enquanto torcedores e seleções começam a chegar na capital Doha para uma das edições mais polêmicas da história do torneio.

Após seis meses de uma turnê mundial por cinquenta países, a taça, que será levantada pelo vencedor em 18 de dezembro, chegou ao emirado pouco antes antes da partida de abertura, que verá a seleção anfitriã enfrentar o Equador no dia 20 de novembro.

Os apelos da FIFA para “focar” no futebol enfrentam duras críticas europeias sobre o tratamento de trabalhadores, mulheres e comunidade LGBTQIA+ pelo Catar.

"Tenho a impressão de que isso é tudo o que lemos nas últimas semanas", disse à AFP Ringo González, equatoriano que vive na Alemanha, aos pés de um relógio que marca a contagem regressiva para o torneio no calçadão da orla de Doha.

"Seria bom finalmente ver as equipes. Quero ver o Equador obter bons resultados e ver Lionel Messi e as outras estrelas em ação", acrescenta o torcedor.

A seleção dos Estados Unidos chegou à ilha artificial The Pearl (A Pérola) nos últimos dias e a Austrália deve desembarcar no país na noite deste domingo.

- Messi, Neymar e Mbappé em campo -

Em consequência ao adiamento do torneio para o fim do ano para aproveitar as temperaturas mais amenas, os principais campeonatos europeus ainda estão em curso neste fim de semana e muitas estrelas estiveram em campo com as camisas de seus clubes.

É o caso de Lionel Messi, Neymar e Kylian Mbappé, que foram titulares na goleada do Paris Saint-Germain por 5 a 0 sobre o Auxerre, pelo Campeonato Francês.

Os astros do PSG terminaram o jogo em boas condições físicas, o que acalmou os torcedores e aumentou a expectativas às vésperas do Mundial.

- Milhares de torcedores -

No porto da capital Doha, um enorme navio de cruzeiro, o MSC Europa, construído para acomodar milhares de torcedores, será inaugurado neste domingo.

De acordo com as leis conservadoras do país muçulmano, que restringem o consumo de álcool e proíbem os jogos de azar, uma garrafa de água de rosas será aberta para brindar a inauguração ao invés de champanhe, enquanto o cassino do navio permanecerá fechado durante o tempo em que estiver atracado no porto.

O MSC Europa, cujas reservas estão esgotadas para as duas primeiras semanas do torneio, e dois outros navios devem acomodar cerca de 10 mil pessoas. Uma solução imaginada para evitar problemas de acomodação no menor país a sediar uma Copa do Mundo.

Barreiras foram erguidas nas ruas de Doha, ao redor de estações de metrô e estádios, por algumas semanas, enquanto as forças de segurança se preparam para a chegada de um milhão de torcedores.

Segundo os organizadores, 2,9 milhões de ingressos de um total de 3,1 milhões foram vendidos e os fãs que visitam o principal outlet do bairro de West Bay muitas vezes saem de mãos vazias, como Matthew Coleman, australiano residente em Doha, e seu amigo holandês, Gijs Beenker, que não encontraram artigos "interessantes" para venda.

- Guerra de versões -

Não muito longe dali, em uma loja de souvenirs oficiais, os clientes geralmente são europeus e estão interessados na bola do torneio e em seu mascote La'eeb, contam os funcionários.

Trabalhadores do sul da Ásia compraram milhares de camisas de seleções favoritas como Brasil e Argentina, e fazem questão de usá-las há dias, sobretudo pelas mesmas estarem em pauta em muitas conversas desde que o Catar foi escolhido como sede da Copa no final de 2010.

No entanto, a imprensa europeia e do Catar continuam sua guerra de versões sobre a legitimidade do local do Mundial de 2022.

Um jornal britânico noticiou no domingo que muitos torcedores achavam que algumas pessoas no Catar haviam sido "pagas" para torcer pela Argentina e pelo Brasil.

Já o jornal de língua árabe Al-Sharq respondeu que a série de críticas "confirma a arrogância de alguns países ocidentais que pensam que sediar a Copa do Mundo deveria continuar sendo seu monopólio".

Para o jornal Al Raya, "o clima entusiasmado e festivo dessas multidões de torcedores de diferentes nacionalidades (...) mostra o fracasso das campanhas de difamação lideradas por alguns meios de comunicação e políticos ocidentais".

bur-tw/psr/iga/yr/cb