Técnico do Uruguai diz que seleção do país tem "melhores do mundo"

Técnico da seleção do Uruguai, Diego Alonso, durante entrevista coletiva em Doha

Por Martin Petty

AL RAYYAN, Catar (Reuters) - O treinador da seleção do Uruguai, Diego Alonso, acredita ter os "melhores jogadores do mundo", cujo orgulho nacional os faz disputar outra Copa do Mundo, enquanto a equipe se prepara para sua partida de estreia no Mundial na quinta-feira contra a Coreia do Sul.

Alonso disse que havia empolgação e entusiasmo na equipe, cuja preparação disse ter sido excepcional antes das três partidas pelo Grupo H, no qual o Uruguai também enfrentará Gana e Portugal.

"Os jogadores do Uruguai são os melhores do mundo, eles nos defendem em quaisquer circunstâncias", disse Alonso em uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira

"Essa é a ferramenta mais importante que temos, é a sensação que os jogadores uruguaios têm, como eles se identificam, o sentimento de pertencimento que possuem."

Campeões mundiais em 1930 e 1950, o Uruguai, uma nação de apenas 3,5 milhões de pessoas, tem o dom de causar transtornos e fazer boas campanhas em suas 14 participações em Mundiais, tornando-os uma equipe que os favoritos preferem evitar enfrentar.

Alonso disse que não estava falando por arrogância ou se referindo à habilidade individual de seus jogadores, mas sobre sua determinação em entregar tudo por seu país.

"Quando digo que os jogadores uruguaios são os melhores do mundo, é porque são meus jogadores", disse ele, traçando paralelos com o amor de seus filhos.

"Os jogadores uruguaios respeitam a equipe, é por isso que são os melhores."

O time estava livre de lesões, disse ele, exceto pelo zagueiro do Barcelona Ronald Araujo, que foi submetido a uma cirurgia na coxa em setembro, mas que estava progredindo bem em sua recuperação.

"Ele está jogando bem todos os dias. Seu corpo nos dirá quando ele estiver em forma", acrescentou ele.

Alonso assumiu a seleção do Uruguai em dezembro do ano passado, substituindo Oscar Tabárez, que comandou a seleção nacional por 15 anos.

Ele escolheu um plantel com uma enorme diferença de idade, que inclui seis jogadores com 35 anos ou mais --alguns com quatro Copas do Mundo no currículo-- ao lado de 13 estreantes em Mundiais, entre eles o atacante do Liverpool Darwín Nuñez.

O capitão de longa data Diego Godín tem 36 anos e, no Catar, somará mais de 150 partidas pelo Uruguai. Ele minimizou as perguntas alusivas a eventuais impedimentos causados pela idade.

"O Godín de 20 anos atrás era diferente, mas eu dou meu máximo, meu tudo dentro de campo", disse ele.

"Estamos muito ansiosos, muito entusiasmados e temos esse entusiasmo que você normalmente sente antes da primeira partida é um sentimento que todos nós compartilhamos. Amanhã é o momento da verdade e vamos falar em campo."