Técnico de time feminino dos EUA é demitido acusado de assédio sexual

·2 minuto de leitura
Paul Riley durante treino da equipe de futebol feminino North Carolina Courage em julho de 2020 (AFP/Maddie Meyer)

O inglês Paul Riley, técnico do North Carolina Courage, time da principal liga americana de futebol feminino (NWSL, pela sigla em inglês), foi demitido nesta quinta-feira após ser acusado de conduta sexual inadequada por várias jogadoras.

Em um comunicado, a equipe divulgou que Riley foi demitido depois que "alegações muito sérias de má conduta" se tornaram conhecidas.

O anúncio foi feito horas depois de uma reportagem do site The Athletic divulgar as acusações contra Riley, de 58 anos, por fatos supostamente ocorridos em vários times e ligas nos quais trabalhou.

Riley, que nega as acusações, é o segundo treinador da NWSL demitido esta semana depois que a liga encerrou o contrato do técnico do Washington Spirit, Richie Burke, após outra investigação de alegações de assédio moral.

Na reportagem, o The Athletic divulgou acusações de conduta inadequada contra Riley feitas por suas ex-jogadores Sinead Farrelly e Meleana "Mana" Shim.

Farrelly, que atuou em três equipes comandadas para Riley em três ligas distintas, o acusou de "assédio sexual" quando ele era seu treinador no Philadelphia Independence.

A jogadora disse que foi coagida a fazer sexo com o técnico em seu quarto de hotel, após a derrota na final da Liga Profissional de Futebol Feminino (WPSL) em 2011.

De acordo com seu depoimento, Riley teria dito a ela "para levar isso para o túmulo" após o incidente.

Entre outros episódios, Farrelly e Shim também relataram que quando integravam a equipe do Portland Thorns, da NWSL, Riley as forçou a se beijarem enquanto estavam em seu quarto.

"Esse cara tem um padrão", disse Shim ao The Athletic.

Alex Morgan, estrela da seleção americana e ex-jogadora do Portland Thorns, que trabalhou com Riley, confirmou as acusações de suas então companheiras de equipe e disse que tentou ajudá-las a registrar uma denúncia na liga.

"Estou enojada e tenho muitos pensamentos para compartilhar agora", escreveu Morgan no Twitter nesta quinta-feira. "Conclusão: proteja suas jogadoras. Faça a coisa certa NWSL."

Em um comunicado ao The Athletic, Riley negou ter se comportado de forma incorretas e disse que as acusações são "completamente falsas".

"Nunca fiz sexo com essas jogadoras ou fiz propostas sexuais a elas", disse.

O North Carolina Courage, por sua vez, elogiou as jogadoras por "corajosamente compartilharem suas histórias" e o sindicato das jogadoras da liga escreveu no Twitter que "abuso sistêmico" estava "devastando a NWSL".

A comissária da liga, Lisa Baird, afirmou que a liga ficou "chocada e enojada" com as revelações e declarou que está implementando um novo processo de denúncia anônima para jogadoras, comissão técnica e membros da equipe de organização.

rcw/dj/gbv/gfe/lca

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos