Técnico diz que Chapecoense tinha que retribuir todo o apoio recebido

Luiz Antonio comemora após marcar contra o Zulia

A vitória por 2-1 da Chapecoense sobre o venezuelano Zulia na estreia da Copa Libertadores da América foi, segundo o técnico Vagner Mancini, uma maneira de devolver a Chapecó, cidade do clube, todo o apoio oferecido após a tragédia aérea de novembro.

"Sabíamos que a cidade de Chapecó, comovida, precisava de uma vitória (...) Tínhamos que vencer para retribuir todo o apoio recebido de Chapecó e de todo o mundo", disse Mancini na entrevista coletiva após a partida, disputada no estádio Pachencho Romero de Maracaibo (noroeste da Venezuela).

O novo técnico da Chape, que assumiu o posto de Caio Júnior - um dos 71 mortos na catástrofe, incluindo 19 jogadores -, destacou o fator emocional da partida, que marcou o retorno da equipe catarinense ao cenário internacional.

"A partida tinha um aspecto esportivo, mas também um aspecto emocional muito importante, porque para a Chapecoense foi o primeiro jogo internacional após o acidente", afirmou Mancini.

O técnico ficou satisfeito com a atuação da equipe.

O lateral-esquerdo Reinaldo, um dos 22 novos reforços que a Chape trouxe para se reconstruir, marcou em cobrança de falta praticamente sem ângulo o primeiro gol do time catarinense na competição, aos 33 minutos de jogo. O meia Luiz Antônio, outra cara nova do elenco, ampliou com chute colocado de fora da área, aos 24 do segundo tempo.

O capitão do Zulia, Juan Arango, diminuiu o prejuízo para o time venezuelano de cabeça, aos 33.

"Não é apenas a vitória, que nos dá três pontos, e sim como vencemos. Ganhamos jogando bem, ganhamos neutralizando o rival", disse o treinador.