Sylvinho afirma que não gosta de variar o esquema tático e vai usar 'linha de quatro' no Corinthians

·3 minuto de leitura

O Corinthians apresentou Sylvinho como novo técnico na manhã desta terça-feira, no CT Joaquim Grava. Como era de se esperar, ele foi bastante questionado sobre como vai posicionar o time em campo e foi enfático ao dizer o que prefere, deixando claro que não gosta de variar o esquema tático.

Em entrevista coletiva virtual, Sylvinho declarou que não vai seguir com a linha de três zagueiros que marcou a reta final da passagem de Vagner Mancini pelo clube. Segundo ele, a preferência é por não ter variações táticas e apostar na linha de quatro, que é algo que ele domina e que está na história do Timão.

Leia também:

- Variação de sistema tático existe, mas eu parto do princípio de linha de quatro, trabalho bem ela, domino as funções, invariavelmente podemos variar sistema. Os atletas já me conhecem, faz parte da história do Corinthians a linha de quatro - comentou o profissional.

De acordo com Sylvinho, além de ser um esquema que ele tem mais familiaridade, mais controle, a determinação de um só sistema evita criar confusão nos jogadores, por isso ele afirma que evitará as variações, embora não descarte usar outro método dependendo da necessidade. O novo treinador também não quis criar rótulo de ofensivo ou defensivo.

- O sistema tático não define se o time é ofensivo ou defensivo, o que define são as características que os atletas emprestam. Eu fui criado em uma linha de quatro, conheço, treinei muito, essa construção de sete, oito anos como auxiliar. Evidentemente que a gente domina outros sistemas. O importante é entender, como comissão técnica, o que potencializa o time e os jogadores.

- Não gosto de variação de sistema. Entendo que o atleta treinado tem as consegue ter percepções dos treinamentos e levar para o campo, com rotina, qualidade e tempo de trabalho. Variação causa distâncias diferentes e dependendo o atleta pode gerar atraso em algumas ações. Eu gosto da linha de quatro, mas não está fora de cogitação trabalhar com linha de três em jogos pontuais - completou.

Com esquema X ou Y, Sylvinho explicou como é a característica de seus times e o que não vai faltar neles é briga, luta, entrega e disputa. Isso ele promete ao torcedor que o Corinthians terá durante a sua passagem como treinador.

- Olha, fugindo um pouco de uma nomenclatura, contra-ataque, times reativos, nosso time é um time que luta, que compete, que disputa, que entrega. O futebol é um esporte maravilhoso, dos mais complexos que tem. Grau de dificuldade de assimilação de ideias, conceitos e depois conseguir sincronizar movimentos não é simples. Muitas das vezes os treinadores batem na tecla do tempo, metodologia. O tempo corre, mas não podemos parar. Nosso time entra, organiza, sabe o que fazer e vai lutar. Vai lutar, jogar, brigar, disputar e isso que queremos e exigimos desse time. Característica que não pode faltar.

Ainda que já tenha sido apresentado, Sylvinho só vai estrear pelo clube no próximo domingo, na estreia do Brasileirão, contra o Atlético-GO, às 18h15, na Neo Química Arena. Nesta quarta-feira, contra o River Plate-PAR, pela Sul-Americana, o treinador ficará em um dos camarotes do estádio assistindo ao jogo, enquanto Fernando Lázaro, o interino, trabalhará na beira do campo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos