Surfistas enfrentam pandemia no paraíso antes da estreia olímpica

Steve Keating
·2 minuto de leitura
Evento do mundial de surfe

Por Steve Keating

(Reuters) - Atletas de todo o mundo buscaram diferentes maneiras e lugares para superar a pandemia de Covid-19 e se preparar para a Olimpíada de Tóquio, mas os surfistas Brisa Hennessy e Michel Bourez sem dúvida encontraram alguns dos melhores.

Enquanto vários atletas treinaram em piscinas de quintal ou transformaram porões apertados em salas de musculação, Hennessy e Bourez, que se classificaram provisoriamente para os Jogos de Tóquio, fugiram para o paraíso.

Hennessy, uma autodenominada nômade da Costa Rica, escapou para uma pequena ilha em Fiji, enquanto Bourez, que surfa pela França, se abrigou no Taiti, na preparação para a Olimpíada que foi adiada em um ano para julho de 2021 devido à pandemia.

"Durante a pandemia estávamos na Austrália e meu pai disse: ´vou reservar um voo, temos que sair daqui, precisamos voltar para Fiji e precisamos fazer isso agora´", disse Hennessy em entrevista sobre o surfe olímpico promovida pela International Surfing Association, nesta quinta-feira.

Para Hennessy, a mudança foi uma oportunidade para recarregar sua "mente, corpo e alma" e surfar todos os dias, lembrando porque ela se apaixonou pelo esporte, ao qual foi apresentada desde cedo por pais que são ambos instrutores de surfe.

A costarriquenha de 21 anos acredita que muitos de seus colegas surfistas terão sido inundados pela mesma onda de energia e estarão ainda mais preparados para Tóquio, onde o surfe fará sua estreia olímpica.

"Isso me deu uma maior apreciação do que sou capaz de fazer como atleta", disse Hennessy. "Acredito que os atletas vão voltar e ser mais talentosos, mais apaixonados. Vão estar mais motivados."

Apesar do raro luxo de passar um tempo em casa com sua família, Bourez não encontrou a mesma conexão, e o veterano de 35 anos se sentiu perdido.

"Foi a primeira vez nos últimos 15 anos que passei um ano inteiro em casa, então para mim foi incrível e difícil ao mesmo tempo", disse Bourez.

“Eu tenho minha esposa, meus dois filhos em casa e era estranho para eles também me verem todos os dias, mas eu estava meio que perdendo a cabeça. Em um certo ponto eu não sabia para onde estava indo, não tinha mais paixão. Eu estava tipo ok, estou acordando para quê?"

O novo ano, porém, trouxe propósito renovado.

"O fogo ainda está muito acesso", disse Bourez. “Já esperamos quase dois anos só para poder competir na Olimpíada. "Quando estou no circuito, basicamente surfo para mim mesmo, depois o Taiti e a França, e agora estou 100% focado em surfar pela França."

(Reportagem de Steve Keating em Toronto)