Substituições, cartões, VAR: seis décadas de regras que impactaram o futebol

AFP
Jogo da Copa da Inglaterra entre Chelsea e Liverpool no dia 3 de março de 2020 em Londres
Jogo da Copa da Inglaterra entre Chelsea e Liverpool no dia 3 de março de 2020 em Londres

As regras do futebol, em constante evolução desde que a bola começou a rolar, passaram por grandes mudanças, especialmente nas últimas seis décadas, com a introdução das substituições de jogadores, um sistema de cartões amarelos e vermelhos e a arbitragem por vídeo (VAR).

Nesta sexta-feira, em princípio, será dado um passo adiante, adicionando uma regra temporária para fazer até cinco alterações por equipe e por jogo, além de uma sexta no caso de uma prorrogação.

- 1958: primeira substituição -

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Em 1958, foi autorizada a possibilidade de realizar uma substituição no decorrer do jogo, embora inicialmente o goleiro e o jogador de campo só pudessem ser trocados em caso de lesão. Foi preciso esperar até a Copa do Mundo de 1970 no México para que houvesse a autorização de duas substituições por time e por jogo durante o torneio.

- 1967: primeira substituição tática -

A primeira substituição de um jogador por decisão tática de um treinador também foi autorizada. A partir de então as substituições deixam de ser feitas somente devido a lesões.

- 1970: primeiros cartões -

A Copa do Mundo de 1970 no México marca a introdução do cartão amarelo para a primeira infração e do cartão vermelho para expulsar um jogador. Desde então, esse sistema foi consolidado e mais tarde usado por outros esportes.

- 1974: disputas de pênaltis -

Os pênaltis nas finais da Copa do Mundo são introduzidos para a edição de 1974 na Alemanha, para desempatar uma partida após a prorrogação. Seu primeiro uso na Copa do Mundo aconteceu na Espanha em 1982 quando a Alemanha Ocidental eliminou a França nas semifinais (5-4 nos pênaltis após um empate em 3-3). O primeiro torneio internacional a ser decidido na disputa de pênaltis foi a Euro-1976 entre a Tchecoslováquia e a Alemanha Ocidental (5-3 após um empate em 2 a 2). A sessão foi marcada pelo surgimento da famosa 'Panenka', nome do jogador tcheco que popularizou a cobrança no estilo 'cavadinha'.

- 1992: terceira substituição autorizada -

Foi autorizada uma terceira substituição em cada equipe, mas somente em caso de lesão do goleiro.

- 1992: proibição de recuos para as mãos do goleiro -

Em uma linha contínua na busca por um futebol mais ofensivo, o Conselho Internacional proíbe que os goleiros peguem com as mãos os passes voluntários dos jogadores de sua equipe. A medida foi recebida no início com ceticismo, mas a Fifa avalia que ela teve "um impacto positivo no jogo bonito".

- 1992: 'Gol de Ouro', até 2004 -

A regra do 'Golden Goal' foi usada para decidir um duelo que estava na prorrogação, por meio de uma espécie de morte súbita: o primeiro time a marcar nessa meia hora adicional ganhava o duelo, que era concluído naquele momento. A final da Eurocopa-1996 foi assim vencida pela Alemanha (2-1 na prorrogação contra a República Tcheca). Graças a essa regra, a França venceu, por exemplo, as oitavas de final da Copa do Mundo de 1998 (1 a 0 contra o Paraguai) em casa, onde mais tarde se se sagraria campeã. E a seleção francesa também venceu a final (2-1 contra a Itália) da Euro de 2000 na morte súbita. O 'Golden Goal' foi retirado em 2004.

- 1995: terceira substituição sem restrições -

A terceira substituição é autorizada, desta vez sem restrições, no mesmo nível que as outras duas.

- 2012: tecnologia da linha de gol -

É autorizada a "Goal Line Technology", a tecnologia da linha de gol, para determinar com a ajuda de sensores e câmeras se uma bola ultrapassou por completo a linha do gol ou não, e dessa forma avisar o árbitro.

- 2016: árbitro assistente de vídeo -

O primeiro uso do Árbitro Assistente de Vídeo (VAR) ocorreu na fase de testes em uma semifinal do Mundial de Clubes. Ele foi formalmente autorizado pelo Conselho Internacional em março de 2018. O VAR foi usado na Copa do Mundo de 2018 na Rússia e depois se espalhou pelos principais campeonatos do planeta.

- 2018: quarta substituição na prorrogação -

Foi autorizada uma quarta substituição por equipe, mas somente em caso de prorrogação. A regra é aplicada pela primeira vez na Copa do Mundo de 2018.

- 2020: cinco substituições por partida? -

Pensando na retomada das competições após a longa interrupção devido à pandemia do novo coronavírus, a International Board poderá autorizar cinco substituições durante o tempo regulamentar e uma sexta eventual em caso de prorrogação. O objetivo é aliviar o esforço físico dos jogadores, no momento em que se espera um aumento no ritmo das partidas e, com isso, o risco de lesões.

Leia também