Substância responsável por punir Sakho pode não constar na lista da Wada

Mamadou Sakho sofreu uma transformação na carreira depois de ter testado positivo para um extrato responsável por queimar gorduras, na última temporada europeia. No entanto, após perder as disputas da Liga Europa, da Eurocopa em sua terra-natal e de ser afastado do Liverpool em 2016, o zagueiro francês pode ter descoberto, nesta quinta-feira, que a substância apontada no exame antidoping não consta na lista da Agência Mundial Anti-Doping (Wada).

De acordo com os jornais português A Bola e inglês The Sun, a União Europeia das Associações de Futebol (Uefa) confirmou a informação de que o medicamento tomado por Sakho não é proibido pela entidade que regula a dopagem de atletas no mundo. A Higenamina, como é chamada, sequer havia sido testada na maioria dos laboratórios da Wada, segundo a Uefa.

À época da punição, Sakho havia admitido que ingeriu a substância sem informar o corpo médico do Liverpool e descartou o pedido de contraprova. Atualmente emprestado ao Crystal Palace, ele tem acumulado boas atuações no Campeonato Inglês.

Depois de anunciada primeira punição do defensor, que foi estendida posteriormente, ele foi afastado dos Reds. Desde o dia 22 de abril do ano passado, ele não atua pelo clube e sequer foi relacionado pelo técnico Jurgen Klopp.