St-Pierre não se preocupa com falta de ritmo de luta contra Bisping

A superluta entre Michael Bisping e Georges Saint-Pierre ainda não tem data e nem local para acontecer. Mas tempo não parece ser um problema para GSP. Além de não ter chegado a um acordo com a organização e o rival para se apresentar no dia 8 de julho, em Las Vegas (EUA), pelo UFC 213, o canadense não se preocupa com o tempo que está longe das lutas.

Sem lutar desde novembro de 2013, St-Pierre acredita que a ausência do octógono ao longo do período pode afetar em seu desempenho, mas duvida que isso faça diferença no resultado da luta contra Bisping.

- Eu acredito em "ferrugem de ringue" (expressão usada para se referir à perda de ritmo de luta). Acredito nisso. Isso será um problema, mas eu sou muito experiente. Sou um dos caras que passou mais tempo dentro do octógono do UFC, talvez o maior, não tenho certeza. Acho que por ter muito tempo de luta, quanto mais tempo a luta dura, mais confortável você fica. Será muito importante os primeiros segundos da luta. Precisarei estar bem atento, cuidadoso. Será o momento mais perigoso pra mim, pois quando você tem "ferrugem de ringue" essa é a maior dificuldade na luta. Quando você entra e a luta começa é onde o ritmo pesa, é a dificuldade da adaptação. Mas após alguns minutos, eu vou voltar ao normal - afirmou o ex-campeão dos meio-médios do UFC.

Georges Saint-Pierre e Michael Bisping se encaram em disputa pelo título dos médios em data e local ainda a serem anunciados. Georges não luta desde novembro de 2013, quando venceu Johny Hendricks e manteve o cinturão dos meio-médios pela nona vez. Já Bisping, venceu Dan Henderson em outubro passado e é o atual campeão dos médios do Ultimate.





E MAIS: