Sport x Vasco: julgamento do STJD crava marco no futebol brasileiro

Após julgamento, Vasco termina a Série B em terceiro lugar (Foto: Reprodução/SporTV)


O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu o Sport e considerou o Vasco o vencedor da partida na Ilha do Retiro. Apesar dos dispositivos legais já preverem tal punição, a pena nunca tinha sido aplicada na história do futebol brasileiro.

Diante de tal fato, esta é a primeira jurisprudência nesse sentido e, com isso, o primeiro precedente foi aberto para futuros julgamentos. Ou seja, se acontecerem episódios semelhantes ao da 35ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, o caso vai servir de exemplo.

Além da perder os pontos, o Sport foi punido com multa total de R$180 mil, mais a perda de oito mandos de campo com portões fechados.

O L! entrou em contato com o doutor Marcelo Jucá que atuou na defesa do Vasco e, em exclusividade, o advogado manifestou o sentimento de que a justiça foi feita.

- Foi o julgamento da minha vida. Inédito. Fizemos acontecer com que a lei seja cumprida - afirmou o doutor Marcelo.

Logo após o término do julgamento, a diretora jurídica da Sociedade Anônima do Futebol (SAF) do Vasco, Gisele Cabrera contou sobre a importância da aplicação da lei no caso.

- Foi extremamente importante para essa Nova Era do futebol brasileiro. A Era da SAF, com o Vasco, o futebol como um produto. Isso foi muito discutido dentro do Vasco, principalmente com os nossos investidores. O futebol brasileiro precisa ser um produto rentável e interessante. O que aconteceu na Ilha do Retiro não pode acontecer mais - disse a doutora Gisele.

Vale destacar que o Vasco ficou com 64 pontos, ultrapassou o Bahia e terminou a Segunda Divisão em terceiro lugar.

RELEMBRE O CASO:
O empate em 1 a 1 entre Sport e Vasco foi válido pela 35ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, no dia 16 de outubro. Após o gol de Raniel que empatou o jogo em pênalti assinalado pelo VAR, os jogadores da equipe carioca foram comemorar em frente à torcida mandante.

Muitos objetos foram arremessados na direção dos atletas do Gigante, além de torcedores invadirem o campo para agredir os vascaínos. No momento da invasão, lamentavelmente uma bombeira foi agredida.

A partida ficou paralisada por quase uma hora. Com isso, o árbitro Raphael Claus determinou o encerramento ao entender que o confronto não tinha condições de segurança para poder reiniciar.