Sport cede à pressão e decide disputar Brasileiro

<em>Bicampeão pernambucano, Sport dispensou elenco em fevereiro (Anderson Freire/Sport)</em>
Bicampeão pernambucano, Sport dispensou elenco em fevereiro (Anderson Freire/Sport)

A indefinição segue pairando sobre o Campeonato Brasileiro feminino, que começa no próximo sábado (16). Depois de alegar ontem à Federação Pernambucana de Futebol (FPF) que não teria condições de disputar o torneio, o Sport voltou atrás e afirmou que ficará com a vaga.

“Esse assunto já está sendo resolvido, a FPF se empenhou bastante para que a gente não saísse e vamos fazer um sacrifício para conseguir contornar isso”, explicou o presidente do clube, Milton Bivar, ao blog. “Teremos as definições dentro das próximas horas, mas a possibilidade de não jogar não existe.”

A pressão da FPF e o receio de sofrer punições por parte da CBF foram os principais motivos para o recuo da decisão de desistir do campeonato.

Alegando problemas financeiros, o Sport, que no fim do ano passado caiu para a Série B no masculino, decidiu encerrar as atividades do futebol feminino em fevereiro e dispensou suas atletas. Para não ser penalizada, a diretoria deveria ter enviado um ofício informando os motivos da desistência à CBF até o dia 22 de fevereiro, mas não o fez.

O regulamento prevê que o clube que desrespeitar as regras fica suspenso por dois anos de qualquer competição organizada pela CBF. Como a regra diz “clube”, e não “time”, havia o receio de que a punição também afetasse o masculino.

Segundo informações da Folha de Pernambuco, a diretoria leonina enviou um documento à FPF comunicando a desistência no dia 20 de fevereiro, mas a entidade não chegou a repassar o documento à CBF. O diretor executivo de futebol feminino da Federação, Elias Coelho, desconversou sobre a existência do documento, assim como Bivar.

“Para nós não é interessante essa polêmica. Já resolvemos, Sport vai jogar e pronto. Não quero mais saber quem errou e quem não errou, o Sport só quer que a coisa fique numa boa”, disse o mandatário. “A gente quer estar de bem com CBF e Federação. Vamos nos esforçar, apesar de nossa dificuldade para manter isso ser muito grande.”

A Federação e o clube agora correm atrás de parcerias e projetos sociais com equipes formadas no estado de Pernambuco para conseguir montar o elenco e jogar a competição. O Sport estreia no dia 20 de março contra o São Francisco/BA.

“Com ajuda da repercussão da imprensa e da nossa pressão, o Sport acordou. Poderiam ser punidos por dois anos nos torneios da CBF, o prejuízo lá na frente seria muito grande”, disse Coelho. “Os dirigentes precisam pensar no futuro, porque o futebol feminino já é uma realidade”, acrescentou o dirigente, lembrando que a partir de 2020 os times da Série B entram na regra de licenciamento que exige a manutenção de uma equipe feminina profissional e de base.

Para dar aos clubes pernambucanos mais tempo para montar o elenco e regularizar as atletas, a FPF diz que entrará com pedido à CBF para adiar a primeira rodada das Leoas e do Vitória/PE, que apenas nesta semana conseguiu acertar uma parceria com o Santa Cruz e já tem jogo marcado para domingo (17) contra o Internacional. Questionada sobre o contato, a CBF não respondeu até a publicação desta matéria.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos