Splitter celebra retorno e espera contribuir com o time dos Sixers

A espera enfim acabou. Depois de mais de um ano longe das quadras por causa de uma cirurgia no quadril e de outras lesões, Tiago Splitter voltou a atuar na NBA na rodada da noite desta terça-feira. O pivô brasileiro jogou por sete minutos, anotou dois pontos, pegou três rebotes e ainda deu um toco no triunfo do Philadelphia 76ers por 106 a 101 sobre o Brooklyn Nets.

Splitter não escondeu a alegria de retornar as quadras para disputar uma partida da principal liga de basquete do mundo. Apesar de ainda não estar 100% fisicamente, o atleta brasileiro garante que trabalha duro para recuperar a melhor forma física e que não pensa mais nos problemas que o deixaram fora de combate desde o dia 31 de janeiro de 2016.

“Depois de 13 meses e alguns dias, estar na quadra de volta é algo especial. Eu estou muito feliz. Eu ainda não estou pronto, mas estou trabalhando duro todos os dias, agora jogando alguns minutos e tenho que agradecer ao treinador por esta oportunidade. Eu não pensei na lesão, eu apenas joguei. Essa é melhor maneira de fazer, não pode pensar nisso, é ir lá e jogar”, declarou.

Aos 32 anos, o catarinense chegou aos Sixers em fevereiro deste ano, após ter sido envolvido em uma troca pelo Atlanta Hawks por Ersan Ilyasova. O pivô tem contrato com o time da Filadélfia até o final da temporada e espera ajudar a equipe, que atualmente aparece na 12ª posição da Conferência Leste, com 28 vitórias e 46 derrotas.

“Acho que posso ajudar de várias formas, treinando duro todo dia, conversando, ficando prontos para os jogos e descansando bem. E no jogo também, temos um time com muito talento, como o Dario (Saric), que é um jogador maravilhoso. Sinto que ele é um dos que eu posso ajudar, nós jogamos quase na mesma posição. Ele tem um futuro brilhante”, acrescentou Splitter, que não poupou elogios ao companheiro croata.

O pivô brasileiro deve ter mais uma oportunidade de jogar nesta quarta-feira, às 20 horas (de Brasília), quando o Philadelphia 76ers recebe o Atlanta Hawks, justamente a última equipe pela qual o atleta atuou antes do período longe das quadras.