Sob recorde de mortes por Covid no país, Paulista volta com vitória do Corinthians

LUCIANO TRINDADE
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No dia em que o Brasil ultrapassou pela primeira vez a trágica barreira das 3.000 mortes por Covid-19 em 24 horas, o Campeonato Paulista foi parcialmente retomado, com vitória do Corinthians sobre o Mirassol por 1 a 0, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro. A partida desta terça (23) foi marcada apenas na véspera. Horas após divulgar nota na qual confirmava a suspensão da competição até o dia 30, devido às restrições impostas pelo governo de São Paulo para conter o avanço da pandemia, a Federação Paulista de Futebol voltou atrás e propôs aos clubes levar o duelo para o município fluminense. Estado com mais mortes em decorrência do vírus, São Paulo chegou nesta terça a 68.623 óbitos, mais de 2,3 milhões de casos, além de ter uma taxa preocupante de 91,9% de ocupação dos leitos de UTIs. O país registrou 3.158 mortes em 24 horas, além de 84.996 novos casos da doença. Assim, o Brasil chegou a 298.843 óbitos e a 12.136.615 infecções pelo coronavírus desde o início da pandemia. A situação é crítica e fez as autoridades paulistas adotarem na última semana a fase emergencial do plano para frear o avanço da Covid-19, que inclui veto aos eventos esportivos. A medida vale até o dia 30, mas pode ser prorrogada. Em Volta Redonda, cidade que recebeu a partida entre Mirassol e Corinthians e onde jogarão São Bento e Palmeiras nesta quarta (24), foram registrados, no total, 21.480 casos da doença e mais de 500 mortes desde o início da crise sanitária. Até o final da última semana, 89% dos leitos de UTI no município estavam ocupados. Em nota, a prefeitura disse que aceitou receber os dois duelos do Paulista em troca de dez respiradores e dez monitores de UTI, doados pela Federação Paulista --nesta quarta (24), Palmeiras e o São Bento duelam às 22h, também no estádio Raulino de Oliveira, em jogo atrasado da terceira rodada. A transferência dos jogos, os primeiros na história do Estadual disputados fora de São Paulo, foi definida de forma repentina pelo presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, e contou com intermédio da Ferj (Federação Estadual do Rio de Janeiro) e da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A mudança fez o Mirassol enfrentar viagem de ônibus de 738 km até Volta Redonda. Já o Corinthians encarou cerca de 300 km, no mesmo tipo de veículo. Desde de antes do anúncio oficial das restrições em São Paulo preocupado em dar andamento ao seu campeonato, Bastos tenta levar os jogos para outras praças. Na semana passada, a entidade controlada pelo dirigente chegou a anunciar o confronto entre São Bento e Palmeiras para o estádio Independência, em Minas Gerais, mas viu sua tentativa frustrada pelo governo mineiro, que proibiu a realização de jogos de outros estados. Nesta terça, a FPF havia conseguido marcar o duelo entre Santos e Ponte Preta para São Januário, no Rio de Janeiro, na quinta (25), véspera da proibição de competições esportivas na capital fluminense. Horas depois, no entanto, a prefeitura da cidade publicou nota vetando a realização do certame. A federação de São Paulo não havia se pronunciado sobre o assunto até a conclusão deste texto. O minuto de silêncio em homenagem às vítimas da Covid-19 antes de a bola rolar e após o primeiro gol do Corinthians, marcado por Gabriel Mosquito, aos 22 minutos, e um pênalti defendido por Cássio aos 47 do segundo tempo foram os principais detalhes do confronto contra o Mirassol nesta fatídica noite de terça-feira. MIRASSOL Alex Muralha; Daniel Borges, Boza, Reniê (Carlão) e Moraes; Luís Oyama, Neto Moura (Rodolfo) e Cássio Gabriel (Rafinha); Fabrício, Pedro Lucas (Ernandes) e Diego Gonçalves (Lucas Silva). T.: Eduardo Baptista. CORINTHIANS Cássio; Fagner (Bruno Méndez), Jemerson, Gil e Fábio Santos; Gabriel e Ramiro (Camacho); Gustavo Mosquito (Léo Natel), Otero e Rodrigo Varanda (Cazares); Jô (Cauê). T.: Vagner Mancini Estádio: Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ) Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araújo (SP) Assistentes: Daniel Luiz Marques (SP) e Luiz Roberto Andrini (SP) VAR: Luiz Flávio de Oliveira (SP) Cartões amarelos: Jemerson e Cauê (COR) Gol: Gustavo Mosquito (COR), aos 24min do 1ºT