Sob expectativa de título e permanência, Ceni completa 20 jogos no Flamengo; veja curiosidades

LANCE!
·4 minuto de leitura


Além de manter o Flamengo vivo na briga pelo título do Brasileirão, a vitória sobre o Corinthians no último domingo marcou o 20º jogo de Rogério Ceni à frente do clube. Após um início irregular e marcado pelas eliminações na Copa do Brasil e na Libertadores, o treinador aprendeu a lidar com a pressão e agora passa por momento de evolução junto com a equipe.

+ Novo manto vindo aí: confira a evolução das camisas 1 do Flamengo no século

Invicto há cinco rodadas e a duas vitórias de conquistar o título nacional, Rogério Ceni, de fato, conseguiu amenizar as críticas, mas não pôs fim aos questionamentos. Sem ser unanimidade entre os torcedores, o técnico convive com cobrança diária e, apesar de ter contrato com o Flamengo até o fim de 2021, não tem a permanência garantida para a próxima temporada.

A conquista do Brasileirão, sem dúvidas, pode ser vital para o treinador seguir no Rubro-Negro. Perguntado sobre o assunto em entrevista coletiva nesta terça-feira, o vice-presidente de futebol, Marcos Braz, elogiou o momento atual da equipe, mas preferiu não garantir o futuro do comandante.

- Quando um técnico chega, chega querendo apresentar a metodologia de treino, precisa de tempo para sentir-se seguro na hora de fazer um pedido aos jogadores, na relação com a diretoria. É o tempo que dá isso. O Rogério se encontra em um bom momento em todos sentidos. É o momento possível depois de um tempo no clube para desenvolver o trabalho. É o que está fazendo. É um bom treinador, tem uma boa equipe. Faltam dois jogos para vermos o que vai acontecer.

Desde números e artilheiros até os jogadores mais utilizados, o LANCE! traz cinco curiosidades sobre a "Era Ceni" neste recorte de 20 jogos de altos e baixos pelo Flamengo. Confira:

+ Confira a tabela completa do Brasileirão e simule os resultados

APROVEITAMENTO ABAIXO DA MÉDIA

Flamengo x Coritiba - Rogério Ceni
Flamengo x Coritiba - Rogério Ceni

Ceni é apenas o 12º melhor da década (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Nem mesmo a recente evolução da equipe foi capaz de apagar o início ruim da passagem de Rogério Ceni pelo Flamengo. E os números provam isso. Nos últimos 20 jogos, a equipe soma 10 vitórias, cinco empates e cinco derrotas, o que representa um aproveitamento de 58,3%.

Levando em conta todos os 20 treinadores que comandaram o Flamengo nos últimos 10 anos, Ceni tem apenas o 12º melhor desempenho. Neste critério, ele fica à frente de nomes como Muricy Ramalho, Reinaldo Rueda e Mano Menezes, mas ainda está atrás de Zé Ricardo, Barbieri, Abel Braga, Dome, Jesus e outros treinadores.

DUPLA 100% PRESENTE

Até o momento, Rogério Ceni deu chance a 30 jogadores diferentes do elenco rubro-negro, mas apenas dois estiveram presentes em todas as 20 partidas: Arrascaeta e Vitinho. A dupla, porém, vive situação completamente diferente.

Enquanto o meia uruguaio foi titular em 18 jogos com o treinador, o atacante começou jogando em apenas seis partidas. Nas outras 14 oportunidades, Vitinho começou no banco e entrou no segundo tempo, se tornando o reserva mais acionado pelo treinador durante a passagem.

GOLEADOR EM GRANDE FASE

Gabigol e Rogério Ceni - Flamengo x Corinthians
Gabigol e Rogério Ceni - Flamengo x Corinthians

Gabi celebra gol contra o Corinthians (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Mesmo tendo perdido os primeiros jogos da "Era Ceni" por conta de lesões, Gabigol deu a volta por cima e é o jogador que mais balançou as redes no período. Em 15 partidas, foram 10 gols marcados, além de duas assistências.

A importância do camisa 9 ficou ainda mais em evidência na arrancada recente da equipe. Na série atual de cinco partidas sem perder, Gabigol deixou sua marca em todas os jogos (Grêmio, Sport, Vasco, Red Bull Bragantino e Corinthians).

PEDRO COM MENOS CHANCES

Em contrapartida, o outro artilheiro do Flamengo na temporada não vive a mesma boa fase. Apesar de disputar o mesmo número de jogos que Gabigol (15), Pedro foi titular apenas em três oportunidades com Rogério Ceni (contra Botafogo, Fortaleza e Ceará). Nas outras 12 partidas, o goleador saiu do banco na etapa final.

Em questão de minutos em campo, Pedro é apenas o 16º mais utilizado pelo treinador - atrás de nomes como Renê, Vitinho e Gustavo Henrique. Com pouco tempo em ação, o atacante soma quatro gols e três assistências com Rogério Ceni. Em termos de comparação, com Domènec Torrent, foram 14 gols em 23 partidas disputadas.

NÚMEROS DA 'ERA CENI'

Jogos:
20
Vitórias: 10
Empates: 5
Derrotas: 5
Aproveitamento: 58,3%
Gols marcados: 35
Gols sofridos: 23