Skatistas brasileiros reclamam da World Skate e valorizam o STU

Dora Varella, Yndiara Asp e Pedro Barros deram voz aos protestos dos skatistas brasileiros.
Dora Varella, Yndiara Asp e Pedro Barros deram voz aos protestos dos skatistas brasileiros. Foto: (Ulrik Pedersen/NurPhoto via Getty Images)

Às vésperas da etapa do STU Open Rio, que começou na última quinta-feira, uma coletiva de imprensa com os principais nomes do skate brasileiro chamou a atenção pelo protesto dos skatistas contra a organização da World Skate, entidade que regulamenta a modalidade no mundo, pela retirada da chancela da etapa do Rio de Janeiro como uma das etapas do Mundial de Skate park e street.

Pedro Barros, medalhista de prata na modalidade park nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, desabafou sobre a ausência de calendário no ano de 2022 por parte da World Skate: "Para mim, como profissional há mais de dez anos dessa modalidade que é o park, é totalmente um descaso. Eu fui lá, participei das Olimpíadas, fizemos um show, uma parada tão bonita e, simplesmente, por falta de organização e falta de trabalho, não aconteceu nada para gente".

Leia também:

Dora Varella, outra representante do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio, reclamou que não houve competições a nível mundial para a categoria: "A gente esperava que houvesse mais campeonatos nesse ano pós-olímpico. A gente pensava que, pensando na próxima Olimpíada, já fosse começar bombando com vários eventos muito bem organizados como é o STU. Mas a World Skate realmente não está muito preocupada com isso. O único evento que teria qualificatório para a Olimpíada seria esse evento aqui e acabou que a World Skate quis ganhar dinheiro em cima e saiu fora".

A razão pelo protesto dos skatistas

No começo do mês de setembro, a World Skate, federação internacional da modalidade, decidiu retirar a chancela do campeonato, que iria servir como seletiva para os Jogos Olímpicos de Paris, de 2024, por causa de, segundo comunicado divulgado pela entidade, "incapacidade financeira para cumprir os termos e condições do Memorando de Entendimento firmado entre a World Skate e os organizadores". No comunicado emitido pela entidade, foi dito que no dia 27 de agosto deste ano havia sido assinada uma resolução que cobrava da organização do evento o pagamento da primeira parcela à World Skate, referente ao pagamento das premiações para os atletas.

Em nota oficial emitida, o STU informou que: "por divergências conceituais, que passam pela negligência, despreparo e arbitrariedade da Federação Internacional, a Plataforma STU não chegou a um acordo com a World Skate para a realização dos Mundiais no Rio de Janeiro, mas seguirá, com o apoio da Confederação Brasileira de Skate (CBSk), a sua trajetória de promover o melhor para o skate e todo o seu ecossistema".