Skate deve manter as raízes em estreia olímpica, diz Tony Hawk

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Tony Hawk em pista de skate na Califórnia
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Steve Keating

(Reuters) - Antes visto como esporte de problemáticos e desocupados, o skate fará sua estreia olímpica em Tóquio com a bênção de um de seus maiores nomes, o norte-americano Tony Hawk, que alertou os praticantes a nunca esquecerem suas raízes.

Nascido nas ruas dos Estados Unidos graças a surfistas entediados buscando o que fazer quando as ondas estavam calmas, o skate descartou há muito tempo sua imagem mais desleixada, sendo aceito no mundo esportivo e se tornando um setor multibilionário.

Apesar de estar presente em todo o mundo e ter energia jovem de sobra para o Comitê Olímpico Internacional (COI) capitalizar, o skate chega tarde à festa olímpica, estreando depois do snowboarding, ciclismo BMX, vôlei de praia e outros esportes.

Mas agora que ele é parte dos Jogos, muitos acreditam que a Olimpíada precisa mais do skate do que o contrário -- incluindo Hawk.

"Acho que é legal termos vindo desta cena subterrânea de contracultura para provavelmente sermos um dos destaques dos Jogos Olímpicos", disse Hawk à Reuters. "Nunca tive uma postura que fosse anti-Olimpíada".

"Sempre fiquei mais surpreso por que a tradição não reconhecia o skate como algo que é uma influência positiva e uma válvula de escape positiva".

"No coração do skate, especialmente suas raízes profundas, não dá para fingir", disse ele. "Os garotos que estão andado de skate veem as pessoas que têm sucesso nisso como legítimas e têm muito respeito por elas".

(Por Steve Keating em Toronto)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos