Mais dor de cabeça: MPF vê novo possível erro no Sisu, que teria falha nas vagas de pessoas com deficiência

Yahoo Notícias
(AP Photo/Eraldo Peres)
(AP Photo/Eraldo Peres)

O Ministério Público Federal (MPF) em Brasília detectou indícios de falhas na oferta de vagas destinadas a pessoas com deficiêcia física no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e pediu esclarecimentos ao ministro da Educação, Abraham Weintraub — que já teve sua cabeça pedida pelo MBL por conta dos recentes episódios envolvendo o Enem.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Objeto de uma nova investigação aberta nesta semana na Procuradoria da República do Distrito Federal, a suspeita se soma aos problemas apontados nos últimos dias no Sisu e pode provocar impactos no preenchimento de vagas nas universidades.

Leia também

"Expressivo número de cursos em todo o País tiveram vagas reservadas em número inferior ao percentual de sua população com deficiência aplicado ao número de vagas destinadas à reserva pela Lei nº 12.711 ou mesmo não tiveram nenhuma vaga reservada para esses candidatos", diz despacho assinado pelo procurador Felipe Fritz Braga para aprofundamento das investigações.

Mais cedo, novos erros

Na manhã desta quarta (29), estudantes que tentam se inscrever pelo Sisu enfrentam mais um desafio nesta quarta-feira: quem se inscreveu em apenas uma opção de curso não consegue entrar para a lista de espera de sua primeira opção porque o sistema diz que já está na lista da segunda - que nunca foi marcada, segundo os candidatos.

Liberação foi concedida pela Justiça

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro João Otávio de Noronha, atendeu a um pedido do governo Bolsonaro e liberou, na tarde desta terça-feira (28), a divulgação do resultado do Sisu. Na segunda-feira (27), a AGU (Advocacia-Geral da União) protocolou um recurso no tribunal para garantir a manutenção do calendário de divulgação da lista de aprovados.

O governo pediu a suspensão de uma decisão do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) que havia mantido a determinação da Justiça Federal em São Paulo, da última sexta (24), de não permitir a divulgação da lista devido a problemas em correções de provas do Enem.

Com AGÊNCIA O GLOBO e FOLHAPRESS

Leia também