Sindicato dos jogadores na Inglaterra propõe encurtar jogos

AFP
Portões fechados no estádio de Anfield, em Liverpool, 18 de abril de 2020
Portões fechados no estádio de Anfield, em Liverpool, 18 de abril de 2020

A Professional Players Association (PFA), o sindicato de jogadores ingleses, comentou nesta terça-feira (5) a hipótese de encurtar a duração das partidas caso o futebol seja reiniciado, em meio á pandemia do coronavírus.

A Premier League conversa atualmente com especialistas médicos, governo e representantes dos clubes e dos jogadores para encontrar um meio de concluir a temporada, suspensa desde 9 de março, quando restavam 9 rodadas a disputar.

Jogos com portões fechados e um número reduzido de estádios estariam nos planos para limitar os riscos, sem descartar qualquer outra ideia.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Não sabemos como será o futuro. Sabemos apenas das propostas que foram feitas, a possibilidade de haver mais substituições e partidas que não durem necessariamente dois tempos de 45 minutos", revelou o presidente da PFA, Gordon Taylor, à emissora BBC.

Uma proposta que precisará imperativamente ser aprovada pela International Board (Ifab), entidade que define as regras do jogo, antes que as ligas nacionais possam aplicá-las.

A Fifa propôs em final de abril elevar de 3 para 5 o número de substituições autorizadas durante o tempo regulamentar de uma partida, para aliviar a carga física sobre os jogadores, que terão que encarar sequências de jogos elevadas caso o futebol retorne ainda nesta temporada.

Uma nova assembleia geral com os diferentes atores da Premier League está programada para esta sexta-feira (8) e, "pouco depois desta assembleia, o documento de volta ao trabalho poderia estar finalizado. Na semana seguinte, desde que seja possível, será repassado aos jogadores e aos técnicos", acredita Taylor.

Na última sexta-feira, a Premier League reiterou o desejo de concluir a temporada 2019-2020, disputando os 92 jogos da competição que restam, garantindo que os jogadores e os técnicos terão "um papel-chave" na elaboração do processo de volta do futebol.

Leia também