Simone Biles diz que FBI e Federação fizeram vista grossa para abusos sexuais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Outras ginastas também deram depoimento

  • FBI está sob mira do Congresso por falta de ação no caso

  • 'Eu culpo Larry Nassar e eu também culpo todo o sistema que permitiu e perpetuou esse abuso'

A medalhista olímpica Simone Biles acusou o FBI e a Federação de Ginástica dos Estados Unidos de "fecharem os olhos" e fazerem "vistas grossas" às centenas de casos de abusos sexuais contra atletas cometidos pelo médico Larry Nassar.

Biles foi enfática ao ressaltar que é preciso aplicar um "basta" na perpetuação dos abusos, em um forte depoimento tocante no Congresso dos Estados Unidos, nesta quarta-feira (15). 

A ginasta culpou não apenas a organização da modalidade dos EUA, mas também os agentes federais que não deram atenção aos crimes, enquanto centenas de atletas eram abusadas.

“Eu culpo Larry Nassar e eu também culpo todo o sistema que permitiu e perpetuou esse abuso”, disse a ginasta em meio às lágrimas em seu depoimento no Comitê Judiciário do Senado. Segundo ela, o USA Gymnastics e o Comitê Olímpico e Paraolímpico dos Estados Unidos “sabiam que eu fui abusada pelo médico oficial do time muito antes de eu saber do conhecimento deles”.

Leia também

A ginasta McKayla Maroney, que também é medalhista de ouro como Biles, disse aos senadores que em uma noite, quando ela tinha apenas 15 anos, ela acordou com o médico em cima dela, enquanto ela estava pelada. Esta foi uma das diversas vezes em que ela foi abusada. Ela também disse que pensou que iria morrer naquela noite.

Maroney também disse que o FBI “minimizou e desprezou” seu relato e que a agência postergou a investigação, enquanto outras garotas sofriam abusos. “Se eles não vão me proteger, eu quero saber quem eles estão tentando proteger”, declarou.

Ela ainda acrescentou: “Eu acho que por muito tempo todas nós questionamos, só porque uma pessoa não estava nos validando, nós duvidamos que iria acontecer com a gente. E eu acho que isso torna o processo de cura mais longo”.

Os testemunhos fizeram parte de um esforço do Congresso norte-americano de responsabilizar o FBI após diversos erros na investigação do caso, incluindo atrasos que permitiram que Nassar seguisse abusando de ginastas.

Uma investigação interna do Departamento de Justiça divulgou, em julho deste ano, que o FBI fez erros fundamentais no caso, e que este não foi tratado com toda seriedade necessária, após a primeira denúncia no escritório do FBI em Indianápolis, em 2015.

O órgão admitiu que sua conduta foi incorreta, já que ao menos 40 garotas e mulheres foram molestadas enquanto o FBI sabia do problema.

Outras ginastas também participaram da audiência: Aly Raisman, que também é medalhista olímpica, e Maggie Nicols. Raisman afirmou que tem “desgosto” pelo fato de que eles ainda estão buscando respostas seis anos depois das primeiras acusações contra Nassar.

“Nós não podemos consertar um problema que não entendemos, e nós não podemos entender um problema até que encontremos todos os fatos”, afirmou a atleta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos